O supervisor e as estratégias educacionais dos encontros locorregionais no Programa Mais Médicos do Brasil: reflexões acerca de concepções e práticas.

Elyne Montenegro Engstrom, Luis Claudio de Carvalho, Valéria Ferreira Romano, Andrea A. C. Castro

Resumo


Para aprimorar a formação médica, o Programa Mais Médicos do Brasil (PMM), dentre uma de suas finalidades, realizou a provisão de médicos nas regiões prioritárias para o SUS, a fim de reduzir as desigualdades regionais em saúde, integrando ensino-serviço, com a supervisão direta aos médicos participantes. O presente artigo discute uma experiência de supervisão coletiva (encontros locorregionais) desenvolvida em um município do estado do Rio de Janeiro em 2014-2015. Ao se considerar a potência de desenvolver a força de trabalho do SUS segundo pressupostos da educação permanente em saúde, procurou-se refletir acerca da identificação de necessidades educacionais, da construção de estratégias e ofertas de formação no ambiente do trabalho dos médicos do PMM. Foram realizados sete encontros, com a participação de 16 médicos participantes do PMM, além de supervisores (2), tutor, gestor municipal e apoiadores/especialistas municipais. Metodologias baseadas na pedagogia da problematização foram vivenciadas e as temáticas foram o diagnóstico situacional e identificação de prioridades (matriz de problemas/propostas), sendo eleitas as áreas: saúde mental, uso de drogas, saúde da mulher/pré-natal e criança. As estratégias educacionais facilitaram a integração da gestão, supervisão e médicos, em diálogo com às necessidades de saúde da população, o modelo de atenção e a organização da rede de saúde local.

Palavras-chave


ducação permanente,educação em saúde, prática profissional, atenção primária

Texto completo:

PDF

Referências


Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica / Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde.

Departamento de Atenção Básica. – Brasília: Ministério da Saúde, 2012. 110 p.: il. – (Série E. Legislação em Saúde).

Brasil.Lei n.º 12.871, de 22 outubro de 2013. Institui o Programa Mais Médicos, altera as Leis no 8.745, de 9 de dezembro de 1993, e no 6.932, de 7 de julho de 1981, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 out. 2013.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Programa Mais Médicos – dois anos: mais saúde para os brasileiros / Ministério da Saúde, Secretaria

de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde – Brasília: Ministério da Saúde, 2015.

Brasil. UNASUS. Programa Mais Médicos. Relatório de supervisão. Disponível em: https://

sistemas.unasus.gov.br Acesso em: 28/9/2015.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho

e da Educação na Saúde. Departamento de Gestão da Educação em Saúde. Política Nacional de Educação Permanente em

Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2006. 64 p. – (Série B. Textos Básicos de Saúde) (Série Pactos pela Saúde 2006; v. 9)

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Universidade Aberta do Sistema Único de Saúde-UNASUS. Competências dos profissionais de

nível superior na Estratégia de Saúde da Família. Brasília, DF, 2011.

StarfieldB.Atenção Primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia, Brasília: UNESCO, 2002.

Ceccim RB. O desenvolvimento de competências no trabalho em saúde: educação, áreas do conhecimento, e profissões no caso da saúde. Tempus: Actas de Saúde Coletiva,Abr.2012.

Brasil.Ministério da Saúde. Portal Brasil. Mais Medicos atende 100% das vagas no Rio de Janeiro. Disponívelem: http://www.brasil.gov.br/saude/2015/05/mais-medicos-atende-100-dasvagas-no-rio-de-janeiro. Acessoem 1/7/2015.

IBGE. Instituo Brasileiro de Geografia e Estatística. Estimativas populacionais para os municípios brasileiros. 2014.Disponível em http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/estimativa2014/

Bordenave JD, Pereira AM. Estratégias de Ensino-Aprendizagem. Petrópolis: Vozes, 23 ed.; 1977.

Dewey J. Como pensamos: como se relaciona o pensamento reflexivo com o processo educativo: uma reexposição. Rio de Janeiro: Companhia Editora Nacional. 1959.

Saviani DA. Questão Pedagógica na Formação de Professores. Florianopolis: Endipe, 1996.

Freire P. Pedagogia da Autonomia: saberesnecessários à práticaeducativa. São Paulo: Paz e Terra, 2009.

AusubelDP. A aprendizagem significativa: a teoria de David Ausubel. São Paulo: Moraes, 1982.

BerberNAN. A problematização e a aprendizagem baseada em problemas: diferentes termos ou diferentes caminhos? Interface-Comum, Saúde e Educação. Fevereiro, 1998. P.139-149 .

Pinto TR, Cyrino EG. Os profissionais de saúde no ensino na Atenção Primária à Saúde: tensões e potencialidade na práticas pedagógico-assistenciais. In: Cyrino AP; Godoy D & Cyrino

EG. Saúde, Ensino e Comunidade reflexões sobre práticas de ensino na atenção primária à saúde. São Paulo. Editora Cultura Acadêmica. 2014.p.93-132

Villardi ML, Cyrino EG, Berbel NAN.A metodologia da problematização no contexto da formação em saúde. In:Cyrino AP; Godoy D & Cyrino, EG. Saúde, Ensino e Comunidade reflexões sobre práticas de ensino na atenção primária à saúde. São Paulo: Editora Cultura Acadêmica.2014. p.147-189.

Miranda VA, Monteiro VO, Teixeira SCS. Gestão, Supervisão e Educação Permanente em Territórios de Aprendizagem em Saúde da Família. In: MarinsJJN & Rego S. Educação Médica:

gestão, cuidado, avaliação. São Paulo: Hucitec Editora, Rio de Janeiro: Associação Brasileira de Educação Médica, 2011.p 203-222

OPAS.A Atenção à Saúde Coordenada pela APS: construindo as redes de Atenção no SUS: contribuição para o debate/Organização Pan-Americana à Saúde.Brasília,2011. 113p

OPAS. A Atenção à Saúde Coordenada pela APS: construindo as redes de Atenção no SUS: contribuição para o debate/Organização Pan-Americana à Saúde.Brasília,2011. P.17

Lopes JMC et al. Manual de Oficina para Capacitar preceptores em Medicina de Família e Comunidade. Florianópolis: Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade, 2009.p 55-63




DOI: http://dx.doi.org/10.18569/tempus.v10i1.1863



Revista Tempus - Actas de Saúde Coletiva (ISSN 1982-8829).
Revista coordenada pela Unidade de Tecnologias da Informação e Comunicação em Saúde (UTICS) do Núcleo de Estudos de Saúde Pública (NESP) da Universidade de Brasília (UnB).
Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Compartilhamento pela mesma licença 3.0 Unported License.
____________________________________

____________________________________