Percepção do paciente sobre o protocolo de acolhimento realizado no serviço de oncologia do Hospital Universitário de Brasília (HUB)

Autores

  • Hortênsia Pereira de Souza Hospital Universitário de Brasília
  • Juciléia Rezende Souza Hospital Universitário de Brasília

DOI:

https://doi.org/10.18569/tempus.v11i1.2226

Palavras-chave:

acolhimento, avaliação em saúde, serviço hospitalar de oncologia

Resumo

O acolhimento é uma diretriz prevista na Política Nacional de Humanização do Sistema Único de Saúde – SUS, que consiste em uma ferramenta tecnológica de qualificação de escuta, construção de vínculo, garantia de acesso com responsabilização e resolutividade nos serviços. O presente estudo teve como objetivo avaliar o processo de acolhimento no Serviço de Oncologia do Hospital Universitário de Brasília - HUB a partir da percepção dos pacientes atendidos. Trata-se de uma pesquisa descritiva exploratória, em que foram entrevistados, por meio de questionário semiestruturado, 15 pacientes: 10 logo após o término do processo de acolhimento e cinco dias após, durante o início do tratamento. Os dados obtidos demonstraram satisfação com o acolhimento, motivada principalmente pela superação de expectativas que os entrevistados tinham do serviço público com relação à qualidade de atendimento e agilidade dos serviços. Foi percebido que o grupo entrevistado após o acolhimento teve a percepção mais focada no conteúdo e aprendizagem de novas informações, enquanto que os entrevistados no início do tratamento demonstraram percepções focadas na emoção, principalmente com relação ao vínculo com os profissionais. Percebeu-se também que o excesso de informações no acolhimento prejudica a apreensão do conteúdo. Concluiu-se que é necessário padronização e treinamento dos profissionais quanto ao fornecimento de informações, otimizando a palestra e entrevistas, com atenção aos indicadores de resolutividade, vínculo, informação e conhecimento dos profissionais de referência.

Biografia do Autor

Hortênsia Pereira de Souza, Hospital Universitário de Brasília

Programa de residência multiprofissional em atenção oncológica - psicologia

Juciléia Rezende Souza, Hospital Universitário de Brasília

Doutora em psicologia pelo programa de pós-graduação em Processos de Desenvolvimento Humano e Saúde da Universidade de Brasília – UnB

Referências

Referências

Ministério da Saúde. Acolhimento nas Práticas de Produção de Saúde. Brasília, Brasil; 2010.

Franco TB, Bueno WS, Merhy EE. O acolhimento e os processos de trabalho em saúde: o caso de Betim, Minas Gerais, Brasil. Caderno de Saúde Pública, 1999; 15(2), 345-353.

Ministério da Saúde. Política Nacional de Humanização: documento base para gestores e trabalhadores do SUS. Brasília, Brasil; 2004.

Novaes HMD. Avaliação de programas, serviços e tecnologias em saúde. Revista Saúde Pública, 2000; 34(5), 547-59.

Santos-Filho SB. Perspectivas da avaliação na Política Nacional de Humanização em Saúde: aspectos conceituais e metodológicos. Ciência Saúde Coletiva, 2007; 12(4), 999-1010.

Bardin L. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70; 1979.

Ribeiro DF. Qualidade em serviços públicos de saúde: a percepção dos usuários do hospital universitário em um município paraibano. Dissertação de Doutorado, Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães; 2010.

Leandro AIP, Branco ES. Importância do treinamento e desenvolvimento nos serviços de saúde. RAHIS, 2011 jan/jun; (6), 64-69.

Silva MJP. Comunicação tem remédio. Edições Loyola; 2005.

Moreira MF, da Nóbrega MML, da Silva MIT. Comunicação escrita: contribuição para a elaboração de material educativo em saúde. Revista Brasileira de Enfermagem, 2003 mar/abr; 56(2), 184-188.

Oliveira A, da Silva Neto JC, Machado MLT, de Souza MBB, Feliciano AB, Ogata MN, Oliveira A. A comunicação no contexto do acolhimento em uma unidade de saúde da família de São Carlos, SP. Interface-Comunicação, Saúde, Educação, 2008 out/dez; 12(27), 749-762.

Gouveia VV, Guerra VM, Sousa DMFD, Santos WS, Costa JDM. Escala de Desejabilidade Social de Marlowe-Crowne: evidências de sua validade fatorial e consistência interna. Avaliação Psicológica, 2009; 8(1), 87-98.

Moimaz SAS, Marques JAM, Saliba O, Garbin CAS, Zina LG, Saliba, NA. Satisfação e percepção do usuário do SUS sobre o serviço público de saúde. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 2010; 1419-1440.

Publicado

2017-11-13