Ética, Bioética e Educação

Autores

  • Jansen Ribeiro Pires Coordenação Editorial - Editora Executiva - Editora Associada Tecnologia da Informação, Educação e Comunicação em Saúde - Universidade de Brasília - Núcleo de Estudos de Saúde Publica
  • Helena Eri Shimizu

DOI:

https://doi.org/10.18569/tempus.v7i3.1404

Resumo

Este artigo mostra que a publicação do livro Bioética: uma ponte para o futuro, de Van Rensselaer, mudou a perspectiva dos estudos sobre a ética nos cenários nacional e internacional, concedendo a esta área do conhecimento uma importância nunca antes observada no que se refere à educação e cooperação internacional. Com a promulgação, em 2005, da Declaração Universal sobre Bioética e Direitos Humanos – DUBDH, o Estado brasileiro passou a ter obrigação de envidar esforços para promoção da formação e educação em bioética. Trata-se de uma disciplina que se fundamenta nas reflexões filosóficas, razão pela qual, se fez necessário expor as diferenças conceituais entre ética e moral utilizando-se das concepções de Heráclito e Aristóteles. Ademais, o presente estudo apresenta uma definição operacional da ética mais próxima dos princípios estabelecidos na DUBDH. Por fim, procura chamar atenção para o fato de que, apesar do compromisso firmado pelo Estado, a disciplina bioética encontra-se ainda restrita aos cursos de graduação e pósgraduação, sendo ministrada, principalmente, por profissionais que não têm formação em filosofia, ética ou bioética.

Biografia do Autor

Jansen Ribeiro Pires, Coordenação Editorial - Editora Executiva - Editora Associada Tecnologia da Informação, Educação e Comunicação em Saúde - Universidade de Brasília - Núcleo de Estudos de Saúde Publica

Professora adjunta do Departamento de Saúde Coletiva, da Universidade de Brasília (UnB). Possui doutorado em Ciência da Informação pela UnB, mestrado em Comunicação e Cultura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, especialização em Administração da Comunicação Empresarial e graduação em Jornalismo e Relações Públicas. Atualmente é coordenadora do Centro de Tecnologias Educacionais Interativas em Saúde, da Faculdade de Ciências da Saúde (CENTEIAS/FS) e pesquisadora colaboradora do Núcleo de Estudos em Saúde Pública da UnB (NESP/CEAM/UnB), onde coordena a Unidade de Tecnologias da Informação e Comunicação em Saúde. Líder do Grupo de Estudos e Pesquisas em Informação em Comunicação em Saúde Coletiva (CNPq-Brasil). Foi consultora em projetos de inclusão digital para o Ministério das Comunicações. Tem experiência nas áreas das Ciências da Informação e da Comunicação com ênfase em Comunicação da Informação, atuando principalmente nos seguintes temas: informação e comunicação em saude, tecnologias da informação e comunicação em saúde, inclusão digital, alfabetização em informação e em comunicação, redes sociais e ensino a distância.

Downloads

Publicado

2013-11-02