Acolhimento: concepções e práticas dos profissionais que compõem as equipes interdisciplinares do Hospital Universitário de Brasília (HUB)

Autores

  • Marina Corrêa de Farias Programa de Residência Multiprofissional em Atenção Oncológica - Serviço Social
  • Cláudia Regina Merçon de Vargas

DOI:

https://doi.org/10.18569/tempus.v11i3.2472

Palavras-chave:

acolhimento, equipe interdisciplinar de saúde, vínculo

Resumo

Este trabalho teve o objetivo de conhecer a percepção dos profissionais que vivenciam sua prática de trabalho em equipes interdisciplinares de serviços inseridos no Hospital Universitário de Brasília (HUB) da Universidade de Brasília (UnB) sobre o acolhimento. Pretendeu-se estimular a reflexão sobre o acolhimento; conhecer os objetivos e a operacionalização do acolhimento nos Serviços; além de identificar a compreensão dos profissionais acerca das necessidades dos usuários. Trata-se de uma pesquisa qualitativa descritiva. Os dados foram coletados por meio de questionário com perguntas abertas. Participaram da pesquisa 14 profissionais, dos quais quatro são do CMI, um do Projeto Com-Vivência e nove do UNACON. Constatou-se que as concepções de acolhimento estão de acordo com os conceitos e reflexões dos autores referenciados na literatura e as bases teóricas que fundamentam a prática do acolhimento, se pautam na legislação do Sistema Único de Saúde (SUS) e na Política Nacional de Humanização (PNH). Identificou-se que a presença de elementos como vínculo, forma de olhar, escuta e fornecimento de informações contribuem para uma compreensão de acolhimento coerente com os princípios do SUS e com a Reforma Sanitária cuja proposta pauta-se na concepção ampliada de saúde e na garantia dos direitos sociais. Observou-se que a maioria reconhece o acolhimento como uma intervenção profissional e a caracterizam como uma atividade de natureza individual e coletiva com momento específico e proposta definida. Concluiu-se que é necessário ampliar a concepção de acolhimento para além da atividade específica, exigindo um investimento maior na habilidade de cuidar e estar atento para acolher.

Biografia do Autor

Marina Corrêa de Farias, Programa de Residência Multiprofissional em Atenção Oncológica - Serviço Social

Serviço Social - Hospital Universitário de Brasília - Universidade de Brasília

Referências

Brasil, Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. HumanizaSUS – Política Nacional de Humanização: a humanização como eixo norteador das práticas de atenção e gestão em todas as instâncias do SUS Brasília: Editora Ministério da Saúde; 2004.

Brasil, Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. Acolhimento nas práticas de produção de saúde. 2nd ed. Brasília: Editora do Ministério da Saúde; 2010.

Minayo MCdS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 9th ed. São Paulo: Hucitec; 2006.

Bardin L. Análise de conteúdo Lisboa: Edições 70; 1977.

Universidade de Brasília, Hospital Universitário de Brasília. Institucional. [Online]. [acessado em 2017 setembro 30. Disponível em: http://www.ebserh.gov.br/web/hub-unb/nossa-historia.

Sodré F, Littike D, Drago LMB, Perim MCM. Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares: um novo modelo de gestão? Serviço Social & Sociedade. 2013 abril-junho;(114): p. 365-380.

Steytler SJS, Oliveira Ad. Direito ou responsabilização das famílias no acompanhamento hospitalar. Argumentum. 2016 janeiro-abril; 8(1): p. 174-190.

Araújo NCAd. O Projeto Com-Vivência e o direito à saúde: Caracterização sócio-econômica e de saúde dos usuários. 2011.

Chupel CP. Acolhimento e Serviço Social: um estudo em hospitais estaduais da Grande Florianópolis. 2008.

Lavinas L. Empregabilidade no Brasil: inflexões de gênero e diferenciais femininos. Texto para discussão. 2001 setembro: p. 1-24.

Franco TB, Bueno WS, Merhy EE. O acolhimento e os processos de trabalho em saúde: o caso de Betim, Minas Gerais, Brasil. Cadernos de Saúde Pública. 1999 Abril; 15(2).

Silva LGd, Alves MdS. O Acolhimento como ferramenta de práticas inclusivas de saúde. Revista de APS. 2008 janeiro-março; 11(1): p. 74-84.

Teixeira RR. O acolhimento num serviço de saúde entendido como uma rede de conversações. [Online].; 2000 [acessado em 2017 dezembro 13. Disponível em: http://www.corposem.org/rizoma/acolhiconversa.htm.

Matumoto S. O acolhimento: um estudo sobre seus componentes e sua produção em uma unidade da rede básica de serviços de saúde. 1998.

Brasil, Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. Acolhimento na gestão e o trabalho em saúde Brasília: Editora do Ministério da Saúde; 2016.

Silva MLLd. Um novo fazer profissional. In: Capacitação em serviço social e política social: Módulo 4. Brasília: UnB; 2000. p. 111-124.

Silveira MdFdA, Felix LG, Araújo DVd, Silva ICd. Acolhimento no Programa Saúde da Família: um caminho para humanização da atenção à saúde. Cogitare Enfermagem. 2004 janeiro-junho; 9(1): p. 71-78.

Brasil, Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização da Atenção e Gestão do SUS. Acolhimento de Classificação de Risco nos Serviços de Urgência Brasília: Editora do Ministério da Saúde; 2009.

Matumoto S, Mishima SM, Fortuna CM, Pereira MJB. A comunicação como ferramenta para o acolhimento em unidades de saúde. In 8 Simpósio Brasileiro de Comunicação em Enfermagem; 2002 maio.

Publicado

2018-04-13

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS