Implantação de um grupo de gestantes adolescentes: relatos das ações de informação, educação e comunicação para a promoção da saúde.
PDF

Como Citar

Queiroz, L. S. de, Cerqueira, C. O. de, & Mendonça, A. V. M. (2015). Implantação de um grupo de gestantes adolescentes: relatos das ações de informação, educação e comunicação para a promoção da saúde. Tempus – Actas De Saúde Coletiva, 9(1), Pág. 145-153. https://doi.org/10.18569/tempus.v9i1.1698

Resumo

Este relato de experiência visa apresentar as estratégias adotadas à implantação de um grupo de gestantes adolescentes no Centro de Saúde n°2 do Itapoã. Trata-se de uma iniciativa realizada no âmbito do Programa de Educação Tutorial da Faculdade de Ciências da Saúde, no eixo Informação, Educação e Comunicação entre os anos de 2009 a 2011. Foram realizadas reuniões semanais de aproximação com as gestantes adolescentes e estas, em rodas de conversa, viabilizaram a aproximação com o tema de interesse das jovens. As estratégias de comunicação em saúde possuíam uma linguagem acessível, onde informações e trocas de experiências tinham espaço para serem construídas e observadas. Além disso, as atividades seguiram os princípios ligados à promoção da saúde. A experiência possibilitou uma prática pautada na realidade das adolescentes integrantes do grupo, a partir da comunicação desenvolvida com as mesmas, identificando suas necessidades, procedimentos ou situações que elas desejavam saber, promovendo o relacionamento com outras adolescentes grávidas, com a equipe multiprofissional e com familiares, promovendo educação em saúde, troca de experiências e revisitação de comportamentos.
https://doi.org/10.18569/tempus.v9i1.1698
PDF

Referências

Brasil. Estatuto da Criança e do Adolescente. Estatuto da Criança e do Adolescente: Lei 8.069/90, de 13 de Julho de 1990. Brasília: Senado Federal;1990

Brasil. Manual de Pré-Natal e Puerpério, Brasil; 2006.

Ramos FRS; Monticelli M; Nitscke RG. (Org.) Projeto Acolher: um encontro da enfermagem com adolescentes brasileiros. Brasília: ABEn; 2000.

Alves VS. Educação em saúde e constituição de sujeitos: desafios ao cuidado no Programa da Saúde da Família [dissertação]. Salvador (BA): Universidade Federal da Bahia. Instituto de Saúde Coletiva; 2004.

Freire P. Pedagogia do oprimido. 41ª ed. Rio de Janeiro (RJ): Paz e Terra; 2005.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Promoção da Saúde. Brasília: MS; 2006.

Dadoorian D. Pronta para voar: um novo olhar sobre a gravidez na adolescência. Rio de Janeiro: Rocco; 2000

Melo LL; Lima MADS. Mulheres no segundo e terceiro trimestres de gravidez: suas alterações psicológicas. Rev Bras Enferm. 2000;53(1):81-6.

Cianciarullo TI. Instrumentos básicos para o cuidar – um desafio para a qualidade de assistência. São Paulo: Atheneu; 2003.

Vilar, D.; Gaspar, A. M. Traços redondos. In: PAIS, M. (Org.). Traços e riscos de vida. Lisboa: Ambar, 1999. p. 31-91.

Guimarães, N. A. Trabalho: uma categoria-chave no imaginário juvenil? In: ABRAMO, H. W.; Branco, P. P. M. (Org.). Retratos da juventude brasileira: análise de uma pesquisa nacional. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2005. p. 149-174.

Oliveira, R. C. Jovens trabalhadores: representações sobre o trabalho na contemporaneidade. 2001. Dissertação (Mestrado em Sociologia) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2001.

Corcoran, N. Comunicação em Saúde - Estratégias para promoção de saúde. São Paulo: Roca, 2010.

Oliveira ZMLP; MAdeira AMF. Vivenciando o parto humanizado: um estudo fenomenológico sob a ótica de adolescentes. Rev Esc Enferm USP. 2002;36(2):133-40.