Para uma nova perspectiva sobre o campo das doenças raras: a motivação das associações civis em debate

Autores

  • Rogério Lima Barbosa Universidade de Coimbra

DOI:

https://doi.org/10.18569/tempus.v9i2.1578

Palavras-chave:

Doenças Raras, Associação Civil, Mobilização Social, Drogas Órfãs e Governação da Saúde

Resumo

Ainda como um campo de poucas publicações, o das doenças raras começa a despertar o interesse de alguns grupos de cientistas sociais que buscam entender os efeitos que as associações civis geram na sociedade. Especificamente ao tema e de maneira mais consistente, é em França que surgem as primeiras propostas que buscam compreender os trabalhos realizados por essas associações de doenças raras. Juntando a alguns trabalhos de pesquisadores de outros países como Inglaterra, Portugal e EUA, a visão predominante sobre o campo das doenças raras possui, maioritariamente, uma perspectiva europeia. Em contraponto a essa visão, este trabalho resgata os estudos desenvolvidas para dissertação de mestrado para propor uma perspectiva que vai além dos resultados aparentes das associações e encontre não somente as motivações dos militantes como, também, a necessidade de uma reconfiguração do pensamento sobre o campo das doenças raras. Essa necessidade de mudança baseia-se na identificação do Mercado como o principal coordenador do campo das doenças raras. Essa coordenação tenta implantar, nos países da América Latina, a mesma cartilha imposta nos EUA e na Europa para a venda do remédio, sob o pretexto da venda da cura.

Biografia do Autor

Rogério Lima Barbosa, Universidade de Coimbra

Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra. Portugal.

Referências

Epstein S. Patient Groups and Health Movements. 2008. p. 500–41.

Nunes JA, Matias M, Filipe AM. As organizações de pacientes como atores emergentes no espaço da saúde: o caso de Portugal. Reciis [Internet]. 2007 Jun 28;1(1):107–10. Available from: http://www.reciis.cict.fiocruz.br/index.php/reciis/article/view/29/32

Rabeharisoa V. Experience, knowledge and empowerment: the increasing role of patient organizations in staging, weighting and circulating experience and knowledge. In: Akrick M, Nunes J, Paterson F, Rabeharisoa V, editors. The dynamics of patient organizations in Europe.Paris: Sociales, Collection Sciences; 2008. p. 13–34.

Rabeharisoa V, Callon M, Filipe AM, Nunes JA, Paterson F, Vergnaud F. The dynamics of causes and conditions : the rareness of diseases in French and Portuguese patients ’ organizations ’ engagement in João Arriscado Nunes Frédéric Vergnaud. Paris; 2012. Report No.: 026.30 Deve-se chamar a atenção para a grande variedade de trabalhos realizados na perspectiva dos estudos entre países diferentes, mas europeus, ou países diferentes e do “norte”. Muitas ações estão em andamento em países de todos os continentes, mas ainda sem grande interesse dos pesquisadores. Há o risco de, nos países da América Latina, o modelo europeu ser implantado na sua totalidade, sem considerar as características locais. Esse argumento é reforçado quando se percebe que as indústrias que investem nas associações, independentes do país, são, praticamente, as mesmas. A globalização da doença não pode superar a regionalização dos problemas.

Rabeharisoa V, Moreira T, Akrich M. Evidence-based activism: Patients’ organisations, users’ and activist’s groups in knowledge society. CSI Work Pap Ser. 2013;33.

Allsop J, Jones K, Baggott R. Health consumer groups in the UK: a new social movement? Sociol Heal Illn. 2004;26(6):737–56.

Filipe AM. Actores colectivos e os seus projectos para a saúde: o caso das associações de doentes em Portugal. eã [Internet]. 2009;1(2):1–48. Available from: www.ea-journal.com 8. Novas C. The Political Economy of Hope: Patients’ Organizations, Science and Biovalue.Biosocieties. 2006;1:289–305.

Callon M, Rabeharisoa V. Research “in the wild” and the shaping of new social identities. Technol Soc [Internet]. 2003 Apr [cited 2013 Dec 23];25(2):193–204. Available from: http://

linkinghub.elsevier.com/retrieve/pii/S0160791X03000216

Giddens A. Modernidade e Identidade. Rio de Janeiro: Jorge Sahar Ed; 2002.

Akrich M, Nunes JA, Rabeharisoa V. Conclusions. The Dynamic of patient organizations in Europe. 2008. p. 221–45.

Ginzburg C. Sinais - Raízes de um Paradigma Indiciário. Mitos, emblemas, sinais: Morfologia e Historia. São Paulo, SP: Companhia das Letras; 1989. p. 143–80.

Faurisson F. Problemática das doenças raras [Internet]. Paris: EURORDIS; 2000. Available from: http://www.EURORDIS.org/pt-pt/content/o-que-e-uma-doenca-rara

Santos B de S, Hespanha P. O Estado, a sociedade e as políticas sociais. Revista Crítica de Ciências Sociais. Coimbra, Portugal: Facudade de Economia da Universidade de Coimbra; 1987

Sep;62.

Downloads

Publicado

2015-10-28

Como Citar

Barbosa, R. L. (2015). Para uma nova perspectiva sobre o campo das doenças raras: a motivação das associações civis em debate. Tempus – Actas De Saúde Coletiva, 9(2), Pág. 57-74. https://doi.org/10.18569/tempus.v9i2.1578

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS