Concepção de saúde segundo população masculina usuária do SUS.

Autores

  • Fátima Ferretti Ferretti Coordenação Editorial - Editora Executiva - Editora Associada Tecnologia da Informação, Educação e Comunicação em Saúde - Universidade de Brasília - Núcleo de Estudos de Saúde Publica
  • Fernando Behling Behling
  • Emílio Gabriel Ferro Schneider

DOI:

https://doi.org/10.18569/tempus.v8i3.1564

Resumo

A saúde é um fenômeno que difere de acordo com aspectos biológicos, culturais, sociais e históricos e o modo como cada ser humano viveu sua vida. Dessa forma, o objetivo deste estudo foi conhecer a concepção de saúde segundo o relato de população masculina usuária do SUS. Para tanto, foram entrevistados 49 homens usuários de um Centro de Saúde da Família de um município do oeste catarinense e a análise dos dados se deu segundo a proposição de Minayo (2004). A concepção de saúde relatada pelos homens esteve centrada em duas categorias, ausência de doenças e conceito ampliado de saúde. Historicamente o homem preocupa-se com sua saúde apenas mediante intercorrências graves. No entanto, parece-nos que há uma mudança de comportamento ocorrendo na população masculina, em que essa preocupação passa a se dar antes da enfermidade surgir, numa perspectiva preventiva.

Referências

Schwarz E et al. Política de Saúde do Homem. Rev. Saúde Pública [online]. ahead of print, p. 0-0. Epub Dec 11, 2012.

Gomes R et al. A atenção básica à saúde do homem sob a ótica do usuário: um estudo qualitativo em três serviços do Rio de Janeiro . Ciênc. saúde coletiva. 2011;16(11):4513-21.

Scliar M. História do conceito de saúde. Physis. 2007; 17(1): 29-41.

Ferretti F, Nierotka RP, Silva MR. Concepção de saúde segundo relato de idosos residentes em ambiente urbano. Interface. 2011;15(37):565-72.

Dalmolin BB et al. Significados do conceito de saúde na perspectiva de docentes da área da saúde. Esc. Anna Nery. 2011;15(2): 389-94.

Brasil. Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem (princípios e diretrizes). Brasília, 2009.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 8. ed. São Paulo: Hucitec; 2004.

Nascimento EF, Gomes R. Marcas identitárias masculinas e a saúde de homens jovens. Cad. Saúde Pública. 2008; 24(7):1556-64.

Figueiredo WS. Masculinidades e cuidado: diversidade e necessidades de saúde dos homens na atenção primária. Tese (Doutorado em Ciências) - Faculdade de Medicina, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008.

Machin R. et al. Concepções de gênero, masculinidade e cuidados em saúde: estudo com profissionais de saúde da atenção primária . Ciênc. saúde coletiva. 2011;16(11): 4503-12.

Fontes WD et al. Atenção à saúde do homem: interlocução entre ensino e serviço. Acta Paul.Enferm. 2011;24(3):430-33.

Brasil. Lei n.8.080 de 19 de setembro de 1990 e Lei 8082 de 1992. Dispõem sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasilia, 1990.

Couto MT et al. O homem na atenção primária à saúde: discutindo (in) visibilidade a partir da perspectiva de gênero. Interface. 2010;(14)33: 257-70.

Gomes R, Nascimento EF, Araujo FC. Por que os homens buscam menos os serviços de saúde do que as mulheres? As explicações de homens com baixa escolaridade e homens com ensino superior. Cad. Saúde Pública. 2007; 23(3): 565-74.

Veras R. Envelhecimento populacional contemporâneo: demandas, desafios e inovações.Rev Saúde Pública 2009;43(3):548-54.

Figueiredo WS, Schraiber LB. Concepções de gênero de homens usuários e profissionais de saúde de serviços de atenção primária e os possíveis impactos na saúde da população masculina,São Paulo, Brasil. Ciênc. saúde coletiva. 2011;16(suppl.1):935-44.

Downloads

Publicado

2014-12-24

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS