Esta é uma versão desatualizada publicada em 2021-05-31. Leia a versão mais recente.

Haitianas, formação médica e Sistema Único de Saude

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18569/tempus.v14i3.2702

Palavras-chave:

Saúde da Mulher, Sistema Único de Saúde, Emigração e Imigração

Resumo

Introdução: O Oeste Catarinense, a partir de 2012, foi um dos destinos de imigração de haitianos. Como parte da formação médica, de uma universidade pública, estudantes e docentes têm inserções em Centros de Saúde da Família (CSF), no Sistema Único de Saúde (SUS). Gestora de um destes Centros relatou a baixa adesão de haitianas aos tratamentos. Objetivo: Refletir sobre aspectos culturais das práticas de saúde das haitianas que podem interferir na baixa adesão aos tratamentos. Metodologia: Trata-se de pesquisa qualitativa e descritiva que ulilizou entrevistas junto a profissionais de saúde e haitianos. A hermenêutica-dialética foi a técnica de análise dos dados. Resultados: No Haiti o apelo aos curandeiros, ao vodu, às ervas e chás é uma prática da população. O sistema de saúde pública haitiano não é universal, sendo restrito ao espaço urbano; alguns serviços são ofertados por organizações não governamentais (ONG) e missões religiosas; prevalecendo o setor privado. No Brasil, a baixa adesão aos tratamentos preconizados por profissionais do SUS pode ser explicada, dentre outros motivos, pelo estranhamento das haitianas para algo que desconhecem, pois não há tal oferta no Haiti. Discussão: A baixa adesão aos tratamentos prescritos pode ser compreendida considerando-se: melhora momentânea dos sintomas; barreira linguística; diferente cosmovisão sobre a doença e pouca familiaridade com a oferta de serviços no SUS. Conclusão: A percepção da saúde, da doença e do cuidado das haitianas é intermediada pela medicina popular, praticada no Haiti, que entra em disputa com a lógica biomédica das ações preconizadas pelos profissionais de saúde brasileiros.

Biografia do Autor

Izabella Barison Matos, UFRGS

Doutora em Ciências-Saúde Pública Docente do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva (PPGCol/UFRGS)

Referências

REFERÊNCIAS

Aguiar CM, Cotinguiba MLP. A Língua como fator de inserção de haitianos no mercado de trabalho em Porto Velho. Ver. Igarapé, v. 1, n.5, p.22-42, 2015.

Magalhães LFA. A Imigração haitiana em Santa Catarina: perfil sóciodemográfico do fluxo, contradições da inserção laboral e dependência de remessas no Haiti. Tese (Doutorado) Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas - Demografia. Campinas: São Paulo. 2017.

Handerson J. Diáspora: Sentidos Sociais e Mobilidades Haitianas. Horizontes Antropológicos. 2015;43:51-78.

Santos FV. A inclusão de migrantes internacionais nas políticas do sistema de saúde brasileiro: o caso dos haitianos no Amazonas. História, Ciência, Saúde-Manguinhos. 2016;23(2):477-49.

Matos IB. Aspectos da trajetória de migração de haitianos para o Brasil e Oeste de Santa Catarina: auto percepção acerca da sua inserção e do acesso aos direitos fundamentais na comunidade brasileira. In: Roman DJ, Matos IB. (Orgs.). Imigração haitiana: perfil, ambientação social e organizacional no oeste catarinense, política migratória e aspectos da história do Haiti. Joaçaba: Editora UNOESC, 2018, p. 43-60. Disponível em: http://www.unoesc.edu.br/editora/livros-single/e-book-gratuito-imigracaeo-haitiana-perfil-ambientacaeo-social-e-organizaci Acesso em 20jun2019.

Fernandes D, Faria AV. O visto humanitário como resposta ao pedido de refúgio dos haitianos. Revista Brasileira de Estudos de População. 2017;34(1) :145–61.

Zeni K, Filippim ES. Migração haitiana para o Brasil: acolhimento e políticas públicas. Pretexto (Belo Horizonte. Impresso). 2014;15:11-27.

Granada D, Carreno I, Ramos N, Ramos MCP. Discutir saúde e imigração no contexto atual de intensa mobilidade humana. Interface, Comunicação, Saúde e Educação. 2017;21(61) :285-96.

Ferla AA, Matos IB, Pulga VL, Oliveira MC. Inovação na formação médica: contribuições para “novos” médicos na Atenção Básica. In: Setolin SF (Org.) Saúde Pública: doenças negligenciadas, milenares e emergentes. Porto Alegre: Edipucrs, 2017, p. 155-174.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec, 2012.

IBGE. População Chapecó. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/sc/chapeco/panorama. Acesso em 20jun2019.

Sá-Silva JR, Almeida CD, Guindani JF. Pesquisa documental: pistas teóricas e metodológicas. Revista Brasileira de História & Ciências Sociais. Ano I - Número I - Julho de 2009.

Muller JH. Biomedical Art. Health Communication Core. Gillette Cancer Connection Face Forward Program. Massachusetts: Proctor & Gamble, 2012. Disponibiliza em outras línguas: www.healthcommcore.orgwww.instituteforhealthpolicy.org/research/MultilingualWomensHealth Acesso em 20jun2019.

Silveira LM, Arini SM, Matos IB. Imigração Haitiana e acesso ao ensino superior na Universidade Federal da Fronteira Sul. In: Roman DJ, Matos IB. (Orgs.). Imigração haitiana: perfil, ambientação social e organizacional no oeste catarinense, política migratória e aspectos da história do Haiti. Joaçaba: Editora UNOESC, 2018, p. 43-60. Disponível em: http://www.unoesc.edu.br/editora/livros-single/e-book-gratuito-imigracaeo-haitiana-perfil-ambientacaeo-social-e-organizaci Acesso em 20jun2019.

Ribeiro C, Fernandes D, Motasantos C. Inserção no Mercado de Trabalho Brasileiro por Haitianos: Uma Perspectiva de Gênero. Revista Latino Americana de Geografia e Gênero. 2019;10(1):126-45.

Bulamah RC. Um lugar para os espíritos: os sentidos do movimento desde um povoado haitiano. Cadernos Pagu. 2015;45:79-119.

Langoski DT. Fundamentos legais à construção de políticas públicas para imigração haitiana no Brasil. In: Roman DJ, Matos IB. (Orgs.). Imigração haitiana: perfil, ambientação social e organizacional no oeste catarinense, política migratória e aspectos da história do Haiti. Joaçaba: Editora UNOESC, 2018, p.11-39. Disponível em: http://www.unoesc.edu.br/editora/livros-single/e-book-gratuito-imigracaeo-haitiana-perfil-ambientacaeo-social-e-organizaci Acesso em 20jun2019.

ONU Brasil. Brasil analisa mais de 86 mil solicitações de refúgio; 10,1 mil foram concedidas. Disponível em https://nacoesunidas.org/brasil-analisa-mais-de-86-mil-solicitacoes-de-refugio-101-mil-foram-concedidas/. Acesso em 21dez2018.

Galina VF, Silva TBB, Haydu M, Martin D. A saúde mental dos refugiados: um olhar sobre estudos qualitativos. Interface Com Saúde Educação. 2017; 21(61): 297-308.

Assis NM, Martins LL, Nicolao IA, Souza NM. Acolhimento de imigrantes haitianos via integração ensino-serviço-pesquisa na atenção primária à saúde: relato de experiência. Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade, Rio de Janeiro. 2017;12(39):1-9.

Aguiar ME, Mota A. O Programa Saúde da Família no bairro Bom Retiro, São Paulo, Brasil. Interface. Comu.Saúde e Educação. 2014;18(50):493-506.

Schramm JMA, Meneghel SN, Kastrup E, Ferla AA, Ceccim RB. Organizações Não Governamentais na cooperação Internacional com o Haiti. In: Roman DJ, Matos IB. (Orgs.). Imigração haitiana: perfil, ambientação social e organizacional no oeste catarinense, política migratória e aspectos da história do Haiti. Joaçaba: Editora UNOESC, 2018, p. 111-128. Disponível em: http://www.unoesc.edu.br/editora/livros-single/e-book-gratuito-imigracaeo-haitiana-perfil-ambientacaeo-social-e-organizaci Acesso em 20jun2019.

EMMUS-VI. Enquête mortalité, morbidité et utilisation des services en Haiti 2016-2017. Institut Haïtien de l'Enfance/Measure DHS ICF International: Pétion-Ville, Haïti/, Rockville,Maryland, USA: 2018.

Moi-meme PJ, Rosa RS. O Sistema de Saúde do Haiti. In: Roman DJ, Matos IB. (Orgs.). Imigração haitiana: perfil, ambientação social e organizacional no oeste catarinense, política migratória e aspectos da história do Haiti. Joaçaba: Editora UNOESC, 2018, p. 91-110. Disponível em: http://www.unoesc.edu.br/editora/livros-single/e-book-gratuito-imigracaeo-haitiana-perfil-ambientacaeo-social-e-organizaci Acesso em 20jun2019.

Bobsin O. Etiologia das doenças e pluralismo religioso. Estudos teológicos. São Leopoldo. 2003;42:21-43.

Silveira C, Goldberg A, Silva TB, Gomes MHA, Martin D. O lugar dos trabalhadores de saúde nas pesquisas sobre processos migratórios internacionais e saúde. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro. 2016; 32(10):1-10.

Boltanski L. As Classes Sociais e o Corpo. GRAAL: 1984.

Herzlich C. Santé et Maladie. Analyse d’une representation sociale. Paris: Mouton, 1969.

Publicado

2021-05-31

Versões

Como Citar

Matos, I. B. (2021). Haitianas, formação médica e Sistema Único de Saude. Tempus – Actas De Saúde Coletiva, 14(3). https://doi.org/10.18569/tempus.v14i3.2702

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS