A EDUCAÇÃO PERMANENTE E SUA INFLUÊNCIA NA MICROPOLÍTICA DO TRABALHO EM SAÚDE BUCAL

Autores

  • Wagner Scherrer Lemgruber Goulart Prefeitura Municipal de Domingos Martins, Espírito Santo.
  • Edson Theodoro dos Santos Neto Universidade Federal do Espírito Santo
  • Carolina Dutra Degli Esposti Universidade Federal do Espírito Santo

DOI:

https://doi.org/10.18569/tempus.v13i3.2646

Resumo

A educação permanente em saúde é um movimento que permite produzir processos de formação no próprio espaço de trabalho, promovendo reflexões sobre como tem se materializado as ações de saúde, com vistas a problematizá-las e reconstruí-las por meio de práticas educativas significativas. Este artigo objetiva analisar a percepção de cirurgiões-dentistas e de coordenadores municipais de saúde bucal sobre as repercussões micropolíticas da Política Nacional de Educação Permanente em Saúde (PNEPS) implementada numa região do Espírito Santo, Brasil. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, cuja construção dos dados deu-se a partir de um grupo focal. A discussão do grupo focal foi gravada, transcrita e foi submetida a uma análise de conteúdo temática, processada no programa Maxqda 12.0. Os resultados apontaram as estratégias realizadas e a organização inicial da política implementada, bem como fatores que a facilitaram ou a dificultaram. Percebeu-se o efeito da educação permanente em saúde na micropolítica do processo de trabalho das equipes de saúde bucal. Contudo, constatou-se barreiras a serem enfrentadas na gestão, no processo de trabalho clínico-técnico e no controle social. Conclui-se que há necessidade de se promover efetivas oportunidades de crescimento dos profissionais da saúde por meio da valorização da educação permanente em saúde, bem como, o envolvimento de todos os atores sociais.

Biografia do Autor

Wagner Scherrer Lemgruber Goulart, Prefeitura Municipal de Domingos Martins, Espírito Santo.

Mestre em Clínica Odontológica (UFES) – Cirurgião dentista da Prefeitura Municipal de Domingos Martins, Espírito Santo.

Edson Theodoro dos Santos Neto, Universidade Federal do Espírito Santo

Doutor em Epidemiologia em Saúde Pública (ENSP/Fiocruz) – Professor Adjunto do Departamento de Medicina Social e Programa de Pós-Graduação em saúde Coletiva/UFES

Carolina Dutra Degli Esposti, Universidade Federal do Espírito Santo

Doutora em Saúde Pública (ENSP/Fiocruz) – Professora Adjunta do Departamento de Medicina Social e Programa de Pós-Graduação em saúde Coletiva/UFES

Referências

- Starfield B. Atenção primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: UNESCO/ Ministério da Saúde; 2002.

- Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n.º 198/ GM/MS, de 13 de Fevereiro de 2004. Institui a Política Nacional de Educação Permanente em Saúde como estratégia do SUS para a formação e o desenvolvimento de trabalhadores para o setor e dá outras providências. Brasília: Ministério da Saúde; 2004.

- Brasil, Ministério da Saúde. Portaria n.º 1996/GM/MS, de 20 de agosto de 2007. Dispõe sobre as diretrizes para a implementação da política nacional de educação Permanente em Saúde e dá outras providências. Brasília: Ministério da Saúde; 2007.

- Franco TB. Produção do cuidado e produção pedagógica: integração de cenários do sistema de saúde no Brasil. Botucatu: Revista Interface – Saúde, Educação e Comunicação 2007; 11(23): 427-38.

- Ceccim RB, Feuerwerker LCM. O quadrilátero da formação para a área da saúde: ensino, gestão, atenção e controle social. Rio de Janeiro: Physis 2004; 14(1):41-65.

- Merhy EE. Em busca do tempo perdido: a micropolítica do trabalho vivo em saúde. In: Merhy EE e Onocko R, organizadores. Agir em Saúde. Um desafio para o público. São Paulo: Hucitec; 1997. p. 74-111.

- Merhy EE, FRANCO TB. Por uma composição técnica do trabalho centrado no campo relacional e nas tecnologias leves. Rio de Janeiro: Revista Saúde em Debate 2003; 27(65):316-23.

- Merhy EE, Feuerwerker LCM, Ceccim RB. Educación Permanente en Salud: una estrategia para intervenir en la micropolítica del trabajo en salud. Salud coletiva 2006; 2(2):147-60.

- Ceccim RB. Educação permanente: desafio ambicioso e necessário. Interface Comun Saúde Educ 2004 set- 2005 fev; 18(9): 161-77.

- Nunes MF, Pereira MF, Alves RT, Leles CR. A proposta da educação permanente em saúde na formação de cirurgiões-dentistas em DST/HIV/Aids. Botucatu: Revista Interface – Comunicação, Saúde, Educação 2008; 12(25):413-20.

- Minayo MCS. O desafio do conhecimento. Pesquisa qualitativa em saúde. 14ª ed. São Paulo: Hucitec; 2014.

- Aschidamini IM, Saupe R. Grupo Focal - Estratégia metodológica qualitativa: um ensaio teórico. Curitiba: Revista Cogitare Enfermagem 2004; 9(1):9-14.

- Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70; 2011.

- Gibbs G. Análise de dados qualitativos. Porto Alegre: Artmed, 2009. p.198.

- Feuerwerker LCM. Micropolítica e saúde: produção do cuidado, gestão e formação. Porto Alegre: Rede UNIDA; 2014.

- Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Curso de Formação dos Facilitadores de Educação Permanente em Saúde. Brasília; 2004.

- Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Departamento de Gestão da Educação na Saúde (BR). Política de Educação e Desenvolvimento para o SUS: caminhos para a educação permanente em saúde – Pólos de educação permanente em saúde. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2004. 66p. (Série C. Projetos, Programas e Relatórios).

- Miccas FL, Batista SHSS. Educação permanente em saúde: metassíntese. São Paulo: Revista de Saúde Pública 2014; 48(1):170-85.

- Ribeiro ECO, Motta JIJ. Educação Permanente como estratégia na reorganização dos serviços de saúde. Londrina: Revista Divulgação em Saúde para Debate 1996; 12(1):39-44.

- Ceccim RB. Educação Permanente em Saúde: descentralização e disseminação de capacidade pedagógica na saúde. Ciênc saúde coletiva 2005; 10(4): 975-86.

- Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Caminhos para a mudança da formação e desenvolvimento dos profissionais de saúde: diretrizes para a ação política para assegurar educação permanente no SUS. Brasília: Ministério da Saúde; 2003.

- Merhy EE. O desafio que a educação permanente tem em si: a pedagogia da implicação. Botucatu: Revista Interface – comunicação, saúde, educação 2005; 9(16):161-77.

- Costa RM, Junior AM, Costa ICC, Pinheiro IVA. O trabalho em equipe desenvolvido pelo cirurgião-dentista na Estratégia Saúde da Família: expectativas, desafios e precariedades. Rio de Janeiro: Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade 2012;7(24):147-63.

- Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Departamento de Gestão da Educação na Saúde. A educação permanente entra na roda: pólos de educação permanente em saúde: conceitos e caminhos a percorrer. Departamento de Gestão da Educação na Saúde. 2ª ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2005.

- Nicoletto SCS, Almeida DCS, Brevilheri ECL, Mendonça FF, Rezende LR, Carvalho VLR. Desafios na implantação, desenvolvimento e sustentabilidade da Política de Educação Permanente em Saúde no Paraná, Brasil. São Paulo: Revista Saúde e Sociedade 2013; 22(4):1094-105.

- Araújo YP, Dimenstein M. Estrutura e organização do trabalho do cirurgião-dentista no PSF de municípios do Rio Grande do Norte. Rio de Janeiro: Revista Ciência & Saúde Coletiva 2006; 11(1):219-27.

- Cotta RMM, Schott M, Azeredo CM, Franceschini SCC, Priore SE, Dias G. Organização do trabalho e perfil dos profissionais do programa saúde da família: um desafio na reestruturação da APS em saúde. Brasilia: Revista Epidemiologia e Serviços de Saúde 2006; 15(3):7-18.

- Merhy EE. Saúde: a cartografia do trabalho vivo. São Paulo: Hucitec, 2002.189 p.

- Brasil. Resolução nº 3 de 2002. Diário Oficial da União 2002; 04 mar

- Nicoletto SCS, Mendonça FF, Bueno VLRC, Brevilheri ECL, Almeida DCS, Rezende LR, et al. Pólos de Educação Permanente em Saúde: uma análise da vivência dos atores sociais no norte do Paraná. Interface comun saúde educ 2009; 13(30):209-19.

Downloads

Publicado

2020-07-03

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS