Esta é uma versão desatualizada publicada em 2021-05-31. Leia a versão mais recente.

O Direito à saúde de imigrantes haitianos na perspectiva de profissionais de saúde

Autores

  • Maria angela Conceição Martins Doutoranda em Saúde Coletiva Universidade Federal de Mato Grosso Departamento de Saúde Coletiva
  • Sílvia Angela Gugelmin Universidade Federal de Mato Grosso Departamento de Saúde Coletiva

DOI:

https://doi.org/10.18569/tempus.v14i3.2614

Palavras-chave:

Imigração, direito humano à saúde, profissionais de saúde, Brasil.

Resumo

A imigração haitiana no Brasil e em Mato Grosso trouxe para o sistema de saúde público questões pertinentes à sua natureza de política pública e no âmbito do direito a saúde se relacionando ao acolhimento e as práticas dos profissionais nos serviços destinados a população. Buscando compreender as concepções e práticas dos profissionais no tocante ao direito à saúde foram entrevistados 16 profissionais entre médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem e assistente social. Por meio de um roteiro semiestruturado em três unidades de saúde na capital de Mato-Grosso esta pesquisa de caráter qualitativo versa sobre estas concepções. A categoria central de análise foi o direito à saúde e os núcleos de sentido foram barreiras do sistema de saúde e a comunicação e seus desafios. O reconhecimento da população imigrante como grupo detentor de direitos e a necessidade de maior compreensão referente à sua cultura, suas necessidades em saúde e seu meio social, podem ser incorporadas por meio de políticas de Estado que propiciem o protagonismo e o estabelecimento de vínculos solidários entre usuários e trabalhadores de saúde e re-situe o significado do direito à saúde entre os profissionais.

Biografia do Autor

Maria angela Conceição Martins, Doutoranda em Saúde Coletiva Universidade Federal de Mato Grosso Departamento de Saúde Coletiva

Docente do Departamento de Saúde Coletiva da área de Políticas, Planejamento e Gestão.

Sílvia Angela Gugelmin, Universidade Federal de Mato Grosso Departamento de Saúde Coletiva

PHD SCIENCE. Docente da Universidade Federal de Mato Grosso da área de Ciências Humanas e Sociais Departamento de Saúde Coletiva

Referências

Martin D; Goldberg A, Silveira, C. Imigração, refúgio e saúde: perspectivas de análise sociocultural. Saúde Soc. São Paulo. 2018; 27 (1): 26-36.

Ventura, M. Imigração, saúde global e direitos humanos. Cadernos de Saúde Pública. Rio de Janeiro. 2018; 34 (4): 1-3.

Nogueira VMR, Pires DEP. Direito à saúde: um convite à reflexão. Caderno Saúde Pública. 2004; 20 (3): 753-760.

Arendt, H. Origens do totalitarismo. São Paulo, Companhia das Letras, 1989.

Louidor WE. Uma História Paradoxal. In: Santiago A, organizador. Haiti por si: a reconquista da independência roubada. Fortaleza: Expressão Gráfica e Editora, 2013. p. 12-32.

Cavalcanti L, Oliveira ATR, Tonhati T, organizadores. A Inserção dos Imigrantes no Mercado de Trabalho Brasileiro. Brasília: Cadernos do Observatório das Migrações Internacionais, 2014.

Cavalcanti L, Oliveira T, Tonhati T, organizadores. A Inserção dos Imigrantes no Mercado de Trabalho Brasileiro. Brasília: Cadernos do Observatório das Migrações Internacionais, 2017.

Muraro AP, Borges FT, Palos CC, Martins MA, Lima M, Siqueira E. Health Conditions of Haitian Immigrants in Mato Grosso, Brazil: Is Their Right to Health Care at Stake? In: Health in all Policies – APHA 143rd Annual Meeting & Expo; 2015 out-nov. 31-4; Chicago (Illinois – EUA). Chicago – American Public Health Association (APHA), 2015.

Leao LHC, Muraro AP, Palos CC, Martins MAC, Borges FT. Migração internacional, saúde e trabalho: uma análise sobre os haitianos em Mato Grosso, Brasil. Caderno de Saúde Pública. Rio de Janeiro. 2017; 33 (7): e00181816.

Gonçalves A, Dias S, Luck M, Fernandes J. E, Cabral, J. Acesso aos Cuidados de Saúde de Comunidades Imigrantes. Revista Portuguesa de Saúde Pública. 2003; 21 (1): 55-64.

Goldberg A, Silveira C. Social inequality, access conditions to public health care and processes of care in bolivian immigrants in Buenos Aires and São Paulo: a comparative inquiry. Saúde e Sociedade, 2013; 22 (2), 283-297.

Granada, D, Carreno I, Ramos N, Ramos MCP. Discutir saúde e imigração no contexto atual de intensa mobilidade humana. Interface. Comunicação, Saúde e Educação. 2017; 21 (61): 285-296.

Martes ACB, Faleiros SM. Acesso dos imigrantes bolivianos aos serviços públicos de saúde na cidade de São Paulo. Saúde Soc. 2013; 22(2): 351-64.

Silveira C, Ribeiro MCSA, Carneiro Junior N, Simões O, Barata RB. Processos migratórios e Saúde: uma breve discussão sobre abordagens teóricas nas análises em saúde dos imigrantes no espaço urbano. In: Mota A, Marinho MGSMC, Silveira C, organizadores. Saúde e história de Imigrantes e imigrantes: direitos, instituições e circularidades. 5 ed. São Paulo: Faculdade de Medicina, Universidade de São Paulo/Universidade Federal do ABC / Casa de Soluções e Editora; 2014. 93-108.

Rodrigues R, Dias, S. Encontro com a Diferença: a Perspectiva dos profissionais de saúde no contexto da prestação de cuidados aos imigrantes. Fórum Sociológico. 2012; 22 (1): 63-72.

Fontanella BJB, Ricas J. Turato ER. Amostragem por saturação em pesquisas qualitativas em saúde: contribuições teóricas. Cadernos de Saúde Pública. Rio de Janeiro. 2008; 24 (1): 17-27.

BARDIN L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

Ayres JRCM. Cuidado: trabalho e interação nas práticas de saúde. 1. ed. Rio de Janeiro: CEPESC, 2009.

Cuiabá. Prefeitura. Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Urbano – SDU. Diretoria de Urbanismo e Pesquisa - DUP. Perfil Socioeconômico de Cuiabá, Volume V. Cuiabá: Central de Texto; 2012, 1-530.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística [internet]. [Acesso em 10 jan 2019]. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/cidades-e-estados/mt/cuiaba.html.

CUIABÁ. Secretaria Municipal de Saúde/Relatório Anual de Gestão/Assessoria de Planejamento e Gestão – ASPLAN. Cuiabá, 2016.

Jesus WLA, Assis MMA. Revisão sistemática sobre o conceito de acesso nos serviços de saúde: contribuições do planejamento. Ciênc. saúde coletiva. 2010; 15(1): 161-170.

Agier, M. Gérer les Indéserables: des camps de rèfugiés au gouvernement humanitaire, Paris: Flammarion, 2008. p. 1-22.

Damasceno J, Silva IOP, Fazzioni NH, Aderaldo GA, Jr HF. As cidades da antropologia: Entrevista com Michel Agier. Revista de Antropologia. 2010; 53 (2): 811-842.

Bauman Z. Estranhos à nossa porta. Rio de Janeiro: Zahar, 2017. p. 1-76.

Declaração Universal dos Direitos Humanos. Assembleia Geral das Nações Unidas em Paris. 10 dez. 1948 [internet]. [acesso em 10 jan 2019]. Disponível em: http://www.dudh.org.br/wp-content/uploads/2014/12/dudh.pdf.

Brasil. Artigos 196 da Constituição da República Federativa do Brasil de 5 de outubro de 1988. Brasília: Diário Oficial da União, 1988.

Guizardi FL, Pinheiro R. Novas práticas sociais na constituição do direito à saúde: a experiência de um movimento fitoterápico comunitário. Interface (Botucatu). 2008; 12 (24): 109-122.

Peretti C. Dignidade, direitos humanos e cidadania na perspectiva da doutrina social e de Hannah Arendt. Revista Pistis e Praxis: Teologia e Pastoral. 2014; 6 (3): 795-816.

Carta Educação [internet]. Entenda o Pacto Global de Migrações da Onu que o Brasil deixou [acesso em 10 jan 2019]. Disponível em: http://www.cartaeducacao.com.br/carta-explica/entenda-o-pacto-global-de-migracoes-da-onu-que-o-brasil-deixou/.

Giovanella L et al. Sistema universal de saúde e cobertura universal: desvendando pressupostos e estratégias. Ciênc. Saúde coletiva. 2018; 23 (6): 1763-1776.

Bordin R, Misoczky, MC; Sistema Nacional de Saúde do Haiti – Uma introdução. In: Misoczky MC, Bordin R; Barcelos R, organizadores. Fortalecimento da rede de serviços de saúde – um relato da cooperação Brasil/Cuba/Haiti. Porto Alegre: Pubblicato Editora Ltda; 2015. 27-42.

Assis MMA, Jesus WLA. Acesso aos serviços de saúde: abordagens, conceitos, políticas e modelo de análise. Ciênc. saúde coletiva. 2012, 17 (11): 2865-2875.

Muraro AP et al. Projeto de extensão saúde do imigrante haitiano em Mato Grosso: experiência do primeiro triênio. Revista Corixo. 2016; 5 (2): 1-12.

Granada D, Detoni, PP. Corpos fora do lugar: Saúde e Migração no caso de haitianos no sul do Brasil. Temáticas, Campinas. 2017; 25 (49/50): 115-138.

Marques MCC, Afonso FC, Silveira C. A atenção à saúde do imigrante no contexto histórico da Saúde Pública em São Paulo. In: Mota A, Marinho GSMC, organizadores. Saúde e História de Migrantes e imigrantes. Direitos, Instituições e Circularidades. São Paulo: Casa de Soluções e Editora, 2014.

Zimmerman C, Kiss L, Hossain M. Migration and Health: A Framework for 21st Century Policy-Making. PLoS Med. 2011; 8(5): e1001034.

Santana, MA, Dancy, BL. The stigma of being named “AIDS carriers” on Haitian-American women. Health Care Women Int 2000; 21: 161-171.

CRI. Articulação para o Combate ao Racismo Institucional. Identificação e abordagem do racismo institucional. Brasília: CRI, 2006.

Risson AP, Matsue RY, Lima ACC. Atenção em Saúde aos Imigrantes Haitianos em Chapecó e suas Dimensões Étnico-Raciais. O social em questão. 2018; 21 (41): 111-130.

Zanella VG. As condições de vida e trabalho de costureiras em São Paulo; uma aproximação com imigrantes bolivianas. In: Anais II Simpósio Gênero e Políticas Públicas; 18 e 19 ago 2011; Londrina. Londrina (PR): Universidade Federal de Londrina; 2011. p.18-19.

Mello, FMRVBD. Saúde e Processo migratório. Estudo exploratório sobre acesso à saúde e tuberculose na comunidade boliviana do MSP [dissertação]. São Paulo: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo; 2014.

Van Ryn M, Burke J. The effect of patient race and socio-economic status on physicians’ perceptions of patients. Social Science e Medicine. 2000; 50 (6): 813-828.

Waldan TC. Movimentos migratórios sob a perspectiva do direito à saúde: imigrantes bolivianas em São Paulo. Revista De Direito Sanitário. 2011; 12 (1): 90-114.

Priebe S, et al. Good practice in health care for migrants: views and experiences of care professionals in 16 European countries. BMC Public Helth. 2011; 11 (187): 1-12.

Santana CLA, Carvalho LA, Silva RT, Neto FL. Redes de Serviço de saúde e apoio social aos refugiados e imigrantes. In: Mota A, Marinho MGSMC, Silveira C, organizadores. Saúde e história de imigrantes e imigrantes: direitos, instituições e circularidades. v.5. São Paulo: Casa de Soluções e Editora, 2014. p. 175-190.

Ramos, N. Saúde, migração e direitos humanos. Mudanças – Psicologia da Saúde. 2009; 17(1): 1-11.

Publicado

2021-05-31 — Atualizado em 2021-05-31

Versões

Como Citar

Martins, M. angela C., & Gugelmin, S. A. (2021). O Direito à saúde de imigrantes haitianos na perspectiva de profissionais de saúde. Tempus – Actas De Saúde Coletiva, 14(3). https://doi.org/10.18569/tempus.v14i3.2614

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS