Consumo de alimentos não saudáveis entre adolescentes brasileiros e fatores associados

Autores

  • Caroline Cardozo Bortolotto Universidade Federal de Pelotas
  • Fernanda de Oliveira Meller Universidade do Extremo Sul Catarinense. Programa de pós-graduação em Saúde Coletiva.
  • Jorge Otte Instituto Federal Sul-rio-grandense, Pelotas, RS Brasil.
  • Airton José Rombaldi Universidade Federal de Pelotas, Programa de Pós-graduação em Educação Física, Pelotas, RS, Brasil.
  • Mario Renato Azevedo Universidade Federal de Pelotas, Programa de Pós-graduação em Educação Física, Pelotas, RS, Brasil.
  • Samanta Winck Madruga Universidade Federal de Pelotas, Programa de Pós- graduação em Nutrição e Alimentos, Pelotas, RS, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.18569/tempus.v11i4.2445

Resumo

Objetivo: Avaliar o consumo de alimentos não saudáveis e fatores associados em adolescentes estudantes do ensino médio integrado da rede pública federal de quatro cidades do sul do país. Métodos: Estudo transversal de base escolar realizado com adolescentes. O consumo alimentar foi avaliado pelo Formulário de Marcadores de Consumo, autoaplicado, referente à semana anterior à entrevista. Foi realizada análise descritiva das variáveis estudadas, além da associação entre o consumo alimentar e as variáveis independentes (sexo, idade, ano escolar, índice de bens e prática de atividade física). Foi utilizado teste Qui-quadrado para heterogeneidade ou tendência linear (p<0,05). Resultados: Amostra composta por 832 alunos do 1º ao 3º ano do ensino médio. O alimento mais consumido em todos os dias as semana foi o refrigerante (23,1%). Grande parte consumiu alimentos fritos e embutidos de dois a três dias na semana, (42,4% e 35,5%, respectivamente). As meninas (p<0,001) e os indivíduos considerados ativos fisicamente (p=0,044) consumiram mais bolacha/biscoito doce em relação aos meninos e aos inativos fisicamente. Quanto ao índice de bens, houve relação direta entre aqueles mais ricos e consumo de alimentos fritos (p=0,003) e refrigerante (p=0,004). Conforme aumento do ano escolar menor foi o consumo de bolacha/biscoito doce (p=0,002), salgado (p=0,002) e refrigerante (p=0,009). Conclusão: Foi observado consumo elevado de alimentos não saudáveis, enfatizando a importância de ações de base escolar que reforcem a importância de dietas equilibradas nessa faixa etária.

Biografia do Autor

Caroline Cardozo Bortolotto, Universidade Federal de Pelotas

Graduada em Nutrição pela universidade Federal de Peltoas Mestre e Doutoranda em Epidemiologia pelo Programa de Pós-graduação em epidemiologia - Universidade FEderal de Pelotas

Referências

Pereira RA, Alves-Souza RA, Vale JS. O processo de transição epidemiológica no brasil: uma revisão de literatura. Revista Científica FAEMA. 2015;6(1):99-108.

Tardido AP, AP, Falcão CM. O Impacto da Modernização na Transição Nutricional e Obesidade. Revista Brasileira Nutrição Clínica. 2006;21(2):117-24.

Mendonça CP, dos Anjos LA. Aspectos das práticas alimentares e da atividade física como determinantes do crescimento do sobrepeso/obesidade no Brasil. Cad Saude Publica. 2004;20(3):698-709.

Escoda MS. Para a crítica da transição nutricional. Cienc & Saud Col. 2002;7(2):219-26.

de Oliveira Silva, DF, de Oliveira Lyra, C, Lima SCVC. Padrões alimentares de adolescentes e associação com fatores de risco cardiovascular: uma revisão sistemática. Cienc & Saud Col. 2016; 21(4).

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. IBGE. Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PeNSE) 2009. Rio de Janeiro: IBGE 2009.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. IBGE. Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PeNSE) 2012. Rio de Janeiro: IBGE 2012.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PeNSe) 2015. Rio de Janeiro: IBGE 2016.

Leal GVS, Philippi ST, Matsudo SMM, Toassa EC. Consumo alimentar e padrão de refeições de adolescentes, São Paulo, Brasil. Rev. Bras. Epidemiol. 2010; 13(3):457-67.

Batista Filho M, Rissin A. A transição nutricional no Brasil: tendências regionais e temporais. Cad. Saúde Pública. 2003;19(1):181-91.

Sphor CF, Fortes MO, Rombaldi AJ, Hallal PC, Azevedo MR. Atividade Física e saúde na educação física escolar: efetividade de um ano do projeto Educação Física +. Rev Bras Ativ Fis Saude. 2014;19:300-13.

Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Protocolos do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional (Sisvan) na assistência à saúde. Brasília, 2008.

Department of Health and Human Services. Physical Activity Guidelines Advisory Committee. Physical Activity Guidelines Advisory Committee Report 2008.Washington, DC.

Da Silva JG, Teixeira ML, Ferreira M. Alimentação e saúde: sentidos atribuídos por adolescentes. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem. 2012;16(1):88-95.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção a Saúde. Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. II Pesquisa de Prevalência de Aleitamento Materno nas Capitais Brasileiras e Distrito Federal. Brasília, DF, 2009.

Andreyeva T, Kelly IR, Harris JL. Exposure to food advertising on television: associations with children's fast food and soft drink consumption and obesity. Econ Hum Biol. 2011;9(3):221-33.

Silva SM da, Silva BF, Farina BV, Spinoza ED, Breda SM. A influência da tensão pré-menstrual sobre os sintomas emocionais e o consumo alimentar. Nutrire: Rev Soc Bras Alim Nutr. 2012;37(1):13-21.13.

Matuk TT, Stancari PC, Bueno MB, Zaccarelli EM. Composição de lancheiras de alunos de escolas particulares de São Paulo. Rev Paul Pediatr. 2011;29(2):157-63.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. IBGE. Pesquisa de Orçamentos Familiares: antropometria e estado nutricional de crianças, adolescentes e adultos do Brasil. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística; 2010.

de Arruda EL, Lopes AS. Gordura Corporal, nível de atividade física e hábitos alimentares de adolescentes da região serrana de Santa Catarina, Brasil. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum. 2007;9(1):5-11.

de Aquino RC, Philippi ST. Consumo infantil de alimentos industrializados e renda familiar na cidade de São Paulo, Brasil. Rev Saude Publica. 2002;36(6):655-60.

Fernandes RA, Casonatto J, Christofaro DG, Ronque ER, Oliveira AR, Junior IF. Riscos para o excesso de peso entre adolescentes de diferentes classes socioeconômicas. Rev Assoc Med Bras. 2008;54(4):334-8.

Grenard JL, Stacy AW, Shiffman S, Baraldi AN, Mackinnon DP, Lockhart G, et al. Sweetened drink and snacking cues in adolescents. A study using ecological momentary assessment. Appetite. 2013;67:61-73.

Neutzling MB, Assunção MC, Malcon MC, Hallal PC, Menezes AM. Hábitos alimentares de escolares adolescentes de Pelotas, Brasil. Rev Nutr. 2010; 23(3):379-88.

Laska MN, Murray DM, Lytle LA, Harnack LJ. Longitudinal associations between key dietary behaviors and weight gain over time: Transitions through the adolescent years. Obesity. 2012;20(1):118–25.

Downloads

Publicado

2018-09-06

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS