Síndrome de Burnout em equipe de enfermagem que atua na urgência e emergência.

Autores

  • Hellen Raquel Oliveira de Sousa Universidade Federal de Goiás

DOI:

https://doi.org/10.18569/tempus.v11i4.2315

Palavras-chave:

Síndrome de Burnout, Enfermagem, sinais e sintomas, qualidade na assistência.

Resumo

Objetivo. O presente trabalho teve por objetivo Investigar a presença de sinais e sintomas de exaustão física e psicológica que possam indicar a ocorrência de síndrome de Burnout em profissionais da equipe de enfermagem da unidade de pronto socorro do Hospital das Clinicas da Universidade Federal de Goiás (HC/UFG) Métodos. Trata-se de um estudo exploratório com abordagem predominantemente qualitativa, no qual, os dados foram coletados através de entrevista semi-estruturada com a equipe de enfermagem. Resultados. O estudo evidenciou que os sinais e sintomas mais freqüentes que a equipe de enfermagem apresentou foram as manifestações psicológicas, seguidas de outras manifestações, tais como sentimentos negativos e positivos.Conclusão. Outros aspecto relevantes foram encontrados como a necessidade de oficinas, atividades laborais e interações com o grupo gerando coleguismo e melhor interação da equipe, o gestor da unidade deve programar ações que gerem condições para que os sujeitos consigam exercer suas funções minimizando os fatores que levam ao esgotamento profissional e à síndrome.

Biografia do Autor

Hellen Raquel Oliveira de Sousa, Universidade Federal de Goiás

Enfermeira de Urgência e Emergência

Referências

AMADOR, J.C. et al. Síndrome de burnout em profissionais de enfermagem. Revista OMNIA Saúde, Adamantina (SP), v. 10, 2013.

AZEVEDO, Ana Lídia de Castro Sajioro, et al. Organização de serviços de emergência hospitalar: uma revisão integrativa de pesquisas. Rev. Eletr. Enf. [Internet], v.12, n.4, p.736-745. 2010.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Humanização da Atenção e Gestão do SUS. Acolhimento e classificação de risco nos serviços de urgência. Brasília, 2009. 56 p.

__________. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Especializada. Regulação médica das urgências. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2006. 126 p.

__________. Ministério da Saúde. Secretaria-Geral. Grupo de Trabalho - Unidade de Sistema de Desenvolvimento de serviços de Saúde. Terminologia básica em saúde. Brasília: Centro de documentação do Ministério da Saúde, 1985. 49p.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2009.

BARDIN, L.. Análise de conteúdo (L. de A. Rego & A. Pinheiro, Trads.). Lisboa: Edições 70, 2006. (Obra original publicada em 1977)

BARROS, A. J. P.; LEHFELD, N. A. S. Fundamentos de Metodologia Científica. Makron. Ed.3. São Paulo, 2007.

BARBOSA, T. P.; SILVA, O. V. Origens e significados do lazer. Revista científica eletônica de turismo – ISSN: 1806-9169 Ano VIII – Número 14. 2011.

BECK, C. L. C. O sofrimento do trabalhador: da banalização do sofrimento à sua re-significação ética na organização do trabalho. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2001.

BENEVIDES, P.A.M.T., Burnout: o processo de adoecer pelo trabalho. In: Benevides P. A. M. T., organizador. Burnout: quando o trabalho ameaça o bem-estar do trabalhador. São Paulo: Editora Casa do Psicólogo; 2002.

BORGES, L. O. et al. A síndrome de burnout e os valores organizacionais: um estudo comparativo em hospitais universitários. Psicol Reflex Crit, 2002.

BOGDAN, R.; BIKLEN, S. Características da investigação qualitativa. In: Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto, Porto Editora, 1994.

BORGES, L. O. A síndrome de burnout e os valores organizacionais: um estudo comparativo em hospitais universitários. Psicol. Reflex. Crit. [online], vol.15, n.1, pp.189-200. 2002

BRASIL, Ministério da Saúde. Doenças relacionadas ao trabalho: manual de procedimentos para os serviços de saúde. Brasília, 2001.

BRASIL, Ministério da Saúde: Política Nacional de humanização –PNH . 1ª edição, Brasília,2013 Disponível em : http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_humanizacao_pnh_folheto.pdf

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Envelhecimento e saúde da pessoa idosa / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica – Brasília : Ministério da Saúde, 2006.

BRASIL. Resulução COFEN N° 0527 de s.m. de 2016 Atualiza e estabelece parâmetros para o Dimensionamento do Quadro de Profissioais de Enfermagem nos serviços/locais em que são realizadas as atividades de enfermagem. Disponível em :

http://www.cofen.gov.br/resolucao-cofen-no-05272016_46348.html acessado em 09 de Janeiro de 2017.

CALHOUM, B. L. Hospitals are high-stress employers. Hospitals. v. 54 n.12, p. 171-176,1980.

CHAVES, Marco Antonio. Projeto de Pesquisa: Guia prático para monografia. Rio de Janeiro: WAK,2007.

CHROUSOS, G.P.; GOLD, P. W. Os conceitos e distúrbios do sistema de estresse. Suplemento JAMA. v. 3, n. 1, p. 479-491, 1993.

DALRI, R. C. M. B. Carga Horária de trabalho dos enfermeiros de emergência e sua relação com estresse e cortisol salivar. 2013. 205 f.Tese (doutorado em enfermagem) – Universidade de São Paulo. Ribeirão Preto, 2013.

DEJOURS, C. A loucura do trabalho: estudo de psicopatologia. Tradução de Ana Isabel Paraguay e Lucia Leal Ferreira. São Paulo: Cortez, 1992.

DIAS S.; QUEIRÓS, C.; CARLOTTO, M. S. Síndrome de burnout e fatores associados em profissionais da área da saúde: um estudo comparativo entre Brasil e Portugal. Aletheia n.32 Canoas, 2010.

DRUMMONDI, B. L. C., RADICCHIII, A. L. A., GONTIJOII, E. C. D. Fatores sociais associados a transtornos mentais com situações de risco na atenção primária de saúde. Rev bras epidemiol suppl D.S.S. 68-80, 2014.

FARAH, A. A. Psicoterapia de grupo: reflexões sobre as mudanças no contato entre os membros do grupo durante o processo terapêutico. Revista IGT na Rede, v.6, nº. 11, 2009, Página 302 de 328 Disponível em http://www.igt.psc.br/ojs/ ISSN 1807 – 2526

FELICIANO K.V.O., KOVACS M.H., SARINHO, S. W. Sentimentos de profissionais dos serviços de pronto-socorro pediátrico: reflexões sobre o Burnout. Rev Bras Saude Mater Infant [Internet]. Sept [cited 2013 Nov 21];5(3).2005. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbsmi/v5n3/a08v5n 3.pdf

FIRME, E. ALVES, J.; ROQUE,R. A. Síndrome de Burnout. 2007. Disponível em https://moodle.fct.unl.pt/pluginfile.php/54757/mod_resource/content/0/extracurricular_activities/sindrome_burnout_trab_final.pdf acessado em 09 de Janeiro de 2017.

FONSECA, T. C.P., MELLO, R. Síndrome de burnout entre profissionais de enfermagem de unidades intensivas em um hospital público. Rev enferm UFPE on line., Recife, 10(Supl. 1):296-303, 2016

FRAZÃO, A. Síndrome de Burnout. 2014. Disponível em: http://www.tuasaude.com/sindrome-de-burnout/>. Acesso em: 02 abr. 2014.

IBGE, Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios : síntese de indicadores 2011 Rio de Janeiro : IBGE, 2012. Disponível em: file:///C:/Users/usuario/Downloads/sintese_pnad2011.pdf acessado em 09 de Janeiro de 2017.

JODAS, D. A; HADDAD, M. C. L. 2008. Síndrome de Burnout em trabalhadores de enfermagem de um pronto socorro de hospital universitário. Acta Paul Enferm. 2009; 22 (2):192-7

KUHN; L.; JUNG ..Vivências e sentimentos de profissionais de enfermagem nos cuidados ao paciente sem vida, Rev. bras. enferm. vol.64 no.6 Brasília Nov./Dec. 2011

MALLAR, S. C. CAPITÃO, C. G. Burnout e hardiness: um estudo de evidência de validade. PsicoUSF v.9 n.1 Itatiba jun. 2004

MASLACH C, JACKSON S. E. Maslach Burnout inventory. 2. ed. Palo Alto: Consulting Psychologists Press; 1986.

MASLACH C, SCHAUFELI W. B., Leiter M. P. Job burnout. Annu Rev Psychol. 52:397-422. DOI:10.1146/annurev.psych.2001.

MEIRELLES, N. F., GOLLNER, R. C. Z. Satisfação no trabalho e fatores de estresse da equipe de enfermagem de um centro cirúrgico oncológico. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, Rio de Janeiro, v. 7, n. 1, p. 78 - 88 . 2003.

MINISTÉRIO DA SAÚDE, PORTARIA Nº 1.823, DE 23 DE AGOSTO DE 2012. Disponível em : http://www.conselho.saude.gov.br/web_4cnst/docs/Portaria_1823_12_institui_politica.pdf acessado em 10 de dezembro de 2016.

MOZZATO, A. R. D., Análise de Conteúdo como Técnica de Análise de Dados Qualitativos no Campo da Administração: Potencial e Desafios. Rev. Anpad v. 15, n. 4, pp. 731-747, Jul./Ago. Curitiba, 2011. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/rac/v15n4/a10v15n4.pdf acessado em 12 de janeiro de 2017

MOREIRA, D. S. et al. Prevalência da síndrome de burnout em trabalhadores de enfermagem de um hospital de grande porte da Região Sul do Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 25(7):1559-1568, jul, 2009.

OLIVEIRA, L. P. S., ARAÚJO, G. F. Características da síndrome de burnout em enfermeiros da emergência de um hospital público . Revista Enfermagem Contemporânea. Jan./Jun.;5(1):34-42. 2016

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE. CID-10: Classificação Internacional de Doenças. São Paulo : EDUSP, 1ª ed., 1994.

PEREIRA, A. M. T.B. Burnout: quando o trabalho ameaça o bem-estar do trabalhador. 1. ed. Saõ Paulo : casa do psicólogo, 2002

PROVANO, D. G. Manual de Metodologia Científica: para a segurança pública e defesa social. Juruá. ed.1,2014.

POLITO, E. Ginástica Laboral – Teoria e Prática. São Paulo , 1999. Vanderi, E - Programa de Educação Postural , ed Phorte São Paulo ,2001

SANTOS FILHO , J. C. Pesquisa quantitativa versus pesquisa qualitativa: o desafio paradigmático. Em: SÁNCHEZ GAMBOA, S. (org.). Pesquisa educacional: quantidade – qualidade. 4.ed., São Paulo: Cortez, 2001.

SCHMITZ, G.A. Síndrome de Burnout : uma proposta de análise sob enfoque analítico-comportamental / Giliane Aparecida Schmitz. – Londrina, 2015.

SELYE, H. Stress a tensão da vida. 2. ed. Edit. Acta. Montreal, (Annual Report), 1980 São Paulo: Ibrasa, 1980.

SOUSA, A. D.,O outro lado da enfermagem. Ordem dos enfermeiros.In. jornal madeira, 2014. Disponível em :http://www.ordemenfermeiros.pt/sites/madeira/informacao/Documents/ARTIGOS%202014/o%20outro%20lado%20%20%20%20mar%C3%A7o%202014.pdf acessado em 09 de Janeiro de 2017.

TEIXEIRA, M. O burnout e os enfermeiros. Rev. Saúde mental e psiquiátrica. 2008.Disponível em: http://br.monografias.com/trabalhos3/burnoutenfermeiros/burnout-enfermeiros2.shtml#preven, Acesso em 10 Maio. 2016.

Downloads

Publicado

2018-09-06

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS