Revendo Caminhos: a Inserção da Residência Multiprofissional no Âmbito Hospitalar

Autores

  • Odemir Pires Cardoso Júnior Escola de Saúde Pública do Ceará - ESP/CE
  • Benedita Jales Souza Escola de Saúde Pública do Ceará - ESP/CE
  • Maria Edilania Matos Ferreira Furtado Escola de Saúde Pública do Ceará - ESP/CE
  • Renata Belizário Diniz Escola de Saúde Pública do Ceará - ESP/CE
  • Raissa Rabelo Marques Rebouças Escola de Saúde Pública do Ceará - ESP/CE
  • Kamila Maria Maranhão Sidney Escola de Saúde Pública do Ceará - ESP/CE
  • Maria Tereza Aguiar Pessoa Morano Escola de Saúde Pública do Ceará - ESP/CE

DOI:

https://doi.org/10.18569/tempus.v10i4.2058

Palavras-chave:

Sistema Único de Saúde. Educação Baseada em Competências. Equipe de Assistência ao Paciente

Resumo

Objetivo: O presente estudo objetiva descrever a inserção da Residência Integrada em Saúde no âmbito hospitalar, no intuito de compartilhar a experiência de implantação desse fazer. Descrição da experiência: A vivência ocorreu em um hospital de referência em Cardiopneumologia da cidade de Fortaleza, no período de dois anos (2014-2016). A experiência foi atravessada por saberes e fazeres compartilhados e entre os desafios e conquistas foi possível perceber a grandeza do trabalho interprofissional, especialmente no que concerne ao diferencial que essa atuação pode oferecer aos usuários do serviço. Conclusão: Pode-se atribuir à Residência não apenas o aprimoramento técnico-científico dos profissionais, mas sobretudo o ético-pessoal, enriquecido pela troca de conhecimento, tão relevante na promoção de um cuidado integral em saúde.

Biografia do Autor

Odemir Pires Cardoso Júnior, Escola de Saúde Pública do Ceará - ESP/CE

Fisioterapeuta, Preceptor em terapia Intensiva da Faculdade Maurício de Nassau - Campus Natal/RN

Benedita Jales Souza, Escola de Saúde Pública do Ceará - ESP/CE

Nutricionista, Discente do Mestrado Acadêmico em Nutrição em Saúde

Maria Edilania Matos Ferreira Furtado, Escola de Saúde Pública do Ceará - ESP/CE

Psicologa Clínica

Renata Belizário Diniz, Escola de Saúde Pública do Ceará - ESP/CE

Nutricionista, Discente do Mestrado Acadêmico em Nutrição em Saúde

Raissa Rabelo Marques Rebouças, Escola de Saúde Pública do Ceará - ESP/CE

Psicologa, Docente da Faculdade Pitagoras

Kamila Maria Maranhão Sidney, Escola de Saúde Pública do Ceará - ESP/CE

Farmaceutica, Discente do Mestrado em Ciências Farmacêuticas

Maria Tereza Aguiar Pessoa Morano, Escola de Saúde Pública do Ceará - ESP/CE

Fisioterapeuta, Coordenadora do Serviço de Reabilitação Pulmonar e Coordenadora da Residência Multiprofissional em Cardiopneumologia, ambos no Hospital de Messejana Dr. Carlos Alberto Studart Gomes

Referências

Hartz ZMA, Contandriopoulos AP. Integralidade da atenção e integração de serviços de saúde: desafios para avaliar a implantação de um “sistema sem muros”. Cad. Saúde Pública. 2004;20(Supl 2):331-6.

World Health Organization (WHO). Transforming and scaling up health professional education and training. Geneva: WHO; 2013.

Ministério da Saúde. Portaria nº 198/GM/MS, de 13 de Fevereiro de 2004. Institui a Política Nacional de Educação Permanente em Saúde como estratégia do SUS para a formação e o desenvolvimento de trabalhadores para o setor e dá outras providências. Brasília: Ministério da Saúde; 2004.

World Health Organization (WHO).Framework for action on interprofessionaleduation& collaborative practice.Geneva: WHO; 2010.

Batista NA. Educação Interprofissional em Saude: Concepções e Práticas. Caderno FNEPAS. 2012;2:25-8.

Brasil. Presidência da República. Lei nº 11.129, de 30 de junho de 2005. Institui o Programa Nacional de Inclusão de Jovens – ProJovem; cria o Conselho Nacional de Juventude – CNJ e a Secretaria Nacional de Juventude; altera as Leis nº 10.683, de 28 de maio de 2003, e 10.429, de 24 de abril de 2002; e dá outras providências. Brasília: Diário Oficial da União de 1º de julho de 2005; 2005.

Ministério da Educação. Comissão Nacional de Residência Multiprofissional em Saúde. Resolução nº 3, de 4 de maio de 2010. Dispõe sobre a duração e a carga horária dos programas de Residência Multiprofissional em Saúde e de Residência em Área Profissional da Saúde e sobre a avaliação e a frequência dos profissionais da saúde residentes. Brasília: Ministério da Educação; 2010.

Nascimento DDG, Oliveira MAC. Competências profissionais e o processo de formação na residência multiprofissional em Saúde da Família. Saúde e Sociedade. 2010;19(4):814-27.

Aguiar AC, Ribeiro ECO. Conceito e avaliação de habilidades e competência na educação médica: percepções atuais dos especialistas. Rev. bras. educ. med.2010;34(3):371-8.

Basso K. Residência integrada multiprofissional em saúde do Hospital de Clínicas de Porto Alegre: iniciando a jornada. (Trabalho de Conclusão de Curso de Especialização).Porto Alegre: Universidade Federal do Ro Grande do Sul;2010.

Ceccim RB. Educação permanente em saúde: desafio ambicioso e necessário. Interface– comunic, saúde, educ. 2005;9(16):161-177.

Merhy EE. A perda da dimensão cuidadora na produção da saúde: uma discussão do modelo assistencial e da intervenção no seu modo de trabalhar a assistência. In Reis AT, Santos AF, Campos CR, Malta DC, Merhy EE, Organizadores. Sistema Único de Saúde em Belo Horizonte: reescrevendo o público. São Paulo: Xamã; 1998. p.103-20. parte II.

Cheade MFM, Frota OP, Loureiro MDR, Quintanilha ACF. Residência multiprofissional em saúde: a busca pela integralidade. Cogitare Enfermagem. 2013;18(3):592-5.

Peduzzi M. Equipe multiprofissional de saúde: conceito e tipologia.Rev Saúde Pública. 2001;35(1):103-9.

Campos GWS. A clínica do sujeito: por uma clínica reformulada e ampliada. Disponível em: <http://www.pucsp.br/prosaude/downloads/bibliografia/CLINICAampliada.pdf >. Acesso em: 12 de fevereiro de 2016. 1996/1997.

Ministério da Saúde. Secretaria-Executiva. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização (PNH). Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2013.

Merhy EE, Franco TB. Trabalho em saúde. Material produzido para a EPJV/FIOCRUZ; 2005.

Reis VM, David HMSL. O fluxograma analisador nos estudos sobre o processo de trabalho em saúde: uma revisão crítica. Revista de Atenção Primária a Saúde. 2010;13(1):118-25.

Publicado

2018-12-04

Edição

Seção

RELATO DE EXPERIÊNCIA