Autocuidado e vivências do envelhecer de cuidadores familiares de idosos: contribuições para enfermagem gerontológica

Autores

  • Fernanda Vieira Nicolato Universidade Federal de Juiz de Fora
  • Camila Medeiros Santos
  • Edna Aparecida Barbosa Castro

DOI:

https://doi.org/10.18569/tempus.v11i1.2050

Palavras-chave:

Envelhecimento, Cuidadores, Cuidados de Enfermagem

Resumo

Objetivou-se compreender autocuidado no processo de envelhecer de familiares que cuidam de idosos no domicílio. Pesquisa qualitativa do tipo exploratória. Participaram das entrevistas cinco familiares de idosos atendidos nas consultas de enfermagem de um ambulatório de Geriatria e Gerontologia. Utilizou-se análise de conteúdo que resultou em duas categorias: O envelhecimento do cuidador familiar de um idoso e a realização de seu autocuidado; O reflexo do cuidar de idosos por um familiar em processo de envelhecimento. Compreendeu-se que, além da tensão do papel de cuidador, o familiar convive com problemas secundários ao próprio envelhecimento, por vezes associados a agravos crônicos. A condição de ter que cuidar associada a esses agravos, influencia na dinâmica da vida do cuidador familiar. Os familiares compreendem quais são os requisitos universais de autocuidado, mas não conseguem exercê-los, pois priorizam o “ter que cuidar” do idoso sob sua responsabilidade. O estudo contribui para o processo de cuidar de famílias de idosos pelo enfermeiro, entretanto apresenta limitações quanto ao quantitativo da população, o que aponta para necessidade de novas investigações com aprofundamento nos custos sociais e financeiros que envolvam o processo de cuidar pela família de idosos no domicílio.

Referências

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Projeção da população do Brasil por sexo e idade para o período 2000-2060: revisão 2013. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Brasília: 2013.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Observações sobre a evolução da mortalidade no Brasil: o passado, o presente e perspectivas. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Brasília: 2010.

Teixeira AC, Barbosa RSP. Avaliações psicossociais de adultas na meia idade. Bol Inf Unimotrisaude Sociogerontol. 2011;2(1):56-73.

Wold G. Enfermagem Gerontológica / Glória Hoffmann Wold. Tradução Ana Helena Pereira Correa et al. Rio de Janeiro: Elsevier; 2013.

Freitas MC, Queiroz TA, Souza JAV. O significado da velhice e da experiência de envelhecer para os idosos. Rev. escola de enferm. USP. 2010;2:407-412.

Floriano LA, Azevedo RCS, Reiners AAO, Sudré MRS, et al. Care performed by family caregivers to dependent elderly, at home, within the context of the family health strategy. Texto contexto enferm. 2012;3:543-548.

Anjos KF. Qualidade de Vida de Cuidadores Familiares de Idosos Dependentes no Domicílio. Texto contexto enferm. 2014;3:600-608.

Couto AM, Castro EAB, Caldas CP. Vivências de ser cuidador familiar de idosos dependentes no ambiente domiciliar. Rev Rene. 2016;1:76-85.

Costa SRD, Castro EAB. Autocuidado do cuidador familiar de adultos ou idosos dependentes após a alta hospitalar. Rev Bras Enferm. 2014;6:979-86.

Orem DE. Nursing: concepts of practice 5ed. St. Louis(US): Library of Congress; 1995.

Bardin L. Análise de conteúdo. Edições 70. 2011.

Ministério da Saúde (BR). Resolução 466, de 12 de dezembro de 2012: diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília: 2012.

Camargo Júnior KR. Apresentando Logos: um gerenciador de dados textuais. Rio de Janeiro: Instituto de Medicina Social - UERJ; 2003.

Santos AA, Pavarini SCI. Perfil dos cuidadores de idosos com alterações cognitivas em diferentes contextos de vulnerabilidade social. Revista Gaúcha de Enfermagem. 2010;1:115-122.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Caderno de Atenção Básica nº 36: Estratégia para o Cuidado da Pessoa com Doença Crônica: Diabetes Mellitus, Brasília, 2013b.

Santos SMA. Idosos, família e cultura: um estudo sobre a construção do papel de cuidador. 3 ed. Campinas: Alínea; 2010.

Ferreira OGL, Maciel SC, Costa SMG, Silva AO, Moreira MASP. Envelhecimento ativo e sua relação com a independência funcional. Texto contexto enferm. 2012;3:513-518.

ELIOPOULOS, C. Enfermagem gerontológica. 7. ed. Porto Alegre: Artmed; 2011.

Freitas MC, Queiroz TA, Souza JAV. O significado da velhice e da experiência de envelhecer para os idosos. Rev. escola de enferm. USP. 2010;2:407-412.

Flisch TMP, Alves RH, Almeida TAC, Torres H, Schall VT, Reis DC. Como os profissionais da atenção primária percebem e desenvolvem a Educação Popular em Saúde?. Interface (Botucatu). 2014;18: 1255-1268.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Secretaria do Estado de Minas Gerais. Programa Mais Vida. Belo Horizonte, 2011.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Caderno de Atenção Básica nº 15. Estratégia para o Cuidado da Pessoa com Doença Crônica: Hipertensão Arterial Sistêmica. Brasília, 2013.

Sociedade Brasileira de Cardiologia / Sociedade Brasileira de Hipertensão/ Sociedade Brasileira de Nefrologia. VI Diretrizes Brasileiras de Hipertensão. Arq Bras Cardiol, 2010;95:1-51

Ministério da Saúde (BR). Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Diário Oficial da União. Brasília, 1988.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção à Saúde, Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Guia prático do cuidador. Brasília: 2008.

NANDA. Diagnósticos de enfermagem da NANDA: definições e classificação-2009-2011. Porto Alegre: Artmed; 2010.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Caderno de atenção domiciliar vol. 2 /Programa Melhor em Casa. Brasília, 2013.

Ministério da Saúde (BR). Portaria n. 399/GM de 22 de fevereiro de 2006: Divulga o Pacto pela Saúde 2006, Brasília: 2006.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Envelhecimento e saúde da pessoa idosa. (Série A. normas e Manuais Técnicos) (Caderno de Atenção Básica nº 19), Brasília: 2006.

Publicado

2017-11-13