Intimidade e Vinculo nas práticas de cuidado na ESF: Enlaço entre o binômio mãe-filho mediante a estratégia de abordagem grupal desenvolvida na Residência Multiprofissional em Saúde
PDF
PDF (English)

Palavras-chave

Internato e residência. Prática profissional. Educação em Saúde. Estratégia de Grupo. Prática de grupo. Estrutura de grupo.

Como Citar

Freitas, N. A., Pinto, R. A., Mendonça, G. M., & Silva, M. R. F. (2017). Intimidade e Vinculo nas práticas de cuidado na ESF: Enlaço entre o binômio mãe-filho mediante a estratégia de abordagem grupal desenvolvida na Residência Multiprofissional em Saúde. Tempus – Actas De Saúde Coletiva, 10(4), Pág. 25-37. https://doi.org/10.18569/tempus.v11i1.2005

Resumo

Objetiva-se levantar o universo vocabular de gestantes a partir da leitura do mundo de um grupo com base nos Círculos de Cultura de Paulo Freire, no cotidiano dos profissionais de uma residência multiprofissional em saúde. Trata-se de uma pesquisa exploratório com abordagem qualitativa, realizada no interior do Ceará. Os resultados mostram a residência multiprofissional como instituidora de espaços coletivos, uma vez que possibilita encontros entre sujeitos que desenvolvem suas ações fundamentadas em uma formação pedagógica e pautadas na utilização de tecnologias educativas como os Círculos de Cultura. Conclui-se que os integrantes da residência têm a possibilidade de pensar outros modos de produzir saúde, incentivando a busca pelas transformações das práticas profissionais para produzir novas ações em saúde.
https://doi.org/10.18569/tempus.v11i1.2005
PDF
PDF (English)

Referências

RouquayroL M. Epidemiologia e Saúde - 7ª Ed. 2013.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Atenção ao pré-natal de baixo risco. 1ª ed. rev. Brasília: Editora do Ministério da Saúde; 2013. (Cadernos de Atenção Básica; 32).

Mendonça GMM, Abreu LDP, Rocha, FAA, Silva, MAM. Abordagem grupal como estratégia de cuidado no pré-natal. SANARE-Revista de Políticas Públicas, 13(2), 2011.

Monteiro, MAA. Abordagem grupal para promoção da saúde de famílias com recém-nascidos hospitalizados. Tese submeta ao programa de pós-graduação em enfermagem da universidade federal do ceará para obtenção do título de doutor. Sobral, 2009.

Lima S, Kelanne A, Dias FL; Colares M, Carlos RP, Christina; CV, Neiva et. al. A influência das crenças e valores culturais no comportamento sexual dos adolescentes do sexo masculino. Rev. enferm. UERJ de 2010; 18(2): 247-52.

Freire P. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra,1987.

Freire P. Extensão ou comunicação. 21º Ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2014.

Minayo, M.C.S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 12 ª Ed. – São Paulo: Hucitec, 2010.

Lopes, MCL. Marcon, SS. Assistência à família na atenção básica: facilidades e dificuldades enfrentadas pelos profissionais de saúde. Acta Scientiarum. Health Sciences Maringá, v. 34, n. 1, p. 85-93, Jan.-June, 2012.

Merhy EE. Em busca da qualidade dos serviços de saúde: os serviços de porta aberta para a saúde e o modelo tecnoassistencial em defesa da vida. In: Cecílio L, organizador. Inventando a mudança na saúde. São Paulo: Hucitec; p.117-60; 1994.

Ceccim, R. O Quadrilátero da Formação para a Área da Saúde: Ensino, Gestão, Atenção e Controle Social. PHYSIS: Rev. Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 14(1):41- 65, 2004.

Macedo, CA; Teixeira, ER; Daher, D. Possibilidades e limites do acolhimento na percepção de usuários. Revista de Enfermagem da UERJ. Rio de Janeiro, 2011 jul/set; 19(3):457-62.

Bursztyn, I, Ribeiro, M. Avaliação participativa em programas de saúde: um modelo para o Programa de Saúde do Adolescente. Cad. Saúde Pública [online]. 2005, vol.21, n.2, pp. 404-416. ISSN 0102-311X.

Bastos, A. A técnica de grupos-operativos à luz de Pichon-Rivière e Henri Wallon. Psicólogo inFormação, ano 14, n. 14, jan./dez. 2010.

Alves, V.S. Um modelo de educação em saúde para o Programa Saúde da Família: pela integralidade da atenção e reorientação do modelo assistencial. Interface - Comunic, Saúde, Educ, v.9, n.16, p.39-52, set.2004/fev.2005.

Dall’agnoll C. O trabalho com grupos como instância de aprendizagem em saúde. Revista Gaúcha Enfermagem , Rio Grande do Sul, 2007.

Mota k, Munari DB, Leal ML, Medeiros M, Nunes FC. As trilhas essenciais que fundamentam o progresso e desenvolvimento da dinâmica grupal. Rev Eletr Enf, 2007.

Martins, P. Dom de reconhecimento e saúde: elementos para entender o cuidado como mediação. Usuários, redes sociais, mediações e integralidade em saúde. In: PINHEIRO, R; MARTINS, P. Rio de Janeiro: CEPESC/IMS/UERJ/ABRASCO, 2013.