Visita humanizada em uma unidade de terapia intensiva: um olhar interdisciplinar.

Autores

  • Francisco Maurílio da Silva Carrias
  • Gisly Macêdo de Sousa
  • Jainara Delane Silva Pinheiro
  • Marinalva de Araujo Lustosa
  • Maria do Carmo Campos Pereira
  • Angelo Eduardo Vasconcelos Guimarães
  • Valquíria Pereira da Cunha
  • Gisella Maria Lustoza Serafim

DOI:

https://doi.org/10.18569/tempus.v10i4.1966

Palavras-chave:

Terapia Intensiva, Humanizada da Assistência Hospitalar, Relações Profissional-Família

Resumo

Gisella Maria Lustoza Serafim8 RESUMO A Unidade de Terapia Intensiva é um setor de alta complexidade onde os pacientes críticos passam por períodos de observação continua em um ambiente frio e pouco acolhedor, e por vezes assustador na visão dos pacientes e familiares. Nesse sentido a visita humanizada multidisciplinar busca promover melhor compreensão deste contexto e esclarecer as dúvidas e inseguranças geradas por esse ambiente garantindo assim, uma assistência de melhor qualidade. Buscou-se, portanto, relatar a experiência da visita humanizada multidisciplinar em uma unidade de terapia intensiva. A visita humanizada ocorre, com a participação em conjunto do médico, enfermeiro, psicólogo e fisioterapeuta. A equipe recebe os familiares na sala de espera da UTI, realiza acolhimento, avaliação psicológica e intervenção breve, de apoio e orientação, e preparo psicológico para a visita. Quando necessário a equipe multidisciplinar, acompanha o visitante beira-leito, para proporcionar o acolhimento das dúvidas que surgem ao ver o paciente. Ao final do horário de visitas, realiza-se o boletim médico com a participação interdisciplinar, onde o médico informa a evolução clínica do paciente, discute o caso com a família e a equipe, a fim de proporcionar que o paciente receba a melhor terapêutica. A visita humanizada interdisciplinar é finalizada após o boletim, quando o psicólogo realiza o atendimento com a família, com o objetivo de compreender a percepção do familiar sobre o momento atual e impacto emocional reativo ao momento vivenciado. Encerra-se o processo com a evolução no prontuário do paciente, onde são informados os principais pontos que são identificados no momento da visita.

Referências

- BITENCOURT AGV, NEVES FBCS, DANTAS MP, ALBUQUERQUE LC, MELO RMV, ALMEIDA AM, et al. Análise de Estressores para o Paciente em Unidade de Terapia Intensiva. Revista Brasileira de Terapia Intensiva. 2007; 19(1) :53-59

- KITAJIMA. K. Psicologia em Unidade de Terapia Intensiva. Rio de Janeiro: Revinter, 2014.

- NASCIMENTO HM, ALVES JS, MATTOS LAD. Humanização no acolhimento da família dos pacientes internados em Unidade de Terapia Intensiva. São Paulo. Monografia; 2014.

- URIZZI F, MAGALHÃES L, ZAMPA HB, FERREIRA GL, GRION, CG, CARDOSO LTQ. Vivência de Familiares de Pacientes Internados em Unidades de Terapia Intensiva. Revista Brasileira de Terapia Intensiva. 2008. 20(4):370-375.

- VILA VSC. Dificuldades vivenciadas pela equipe multiprofissional na unidade de terapia. Revista Latino-americana de Enfermagem.2005. 13(2):145- 50

- WALLAU RA, GUIMARÃES HP, FALCÃO LFR, LOPES RD, LEAL PHR ET AL.. Qualidade e Humanização do Atendimento em Medicina Intensiva. Qual a Visão dos Familiares? Revista Brasileira Terapia Intensiva. 2006.18(1):45-51

- BECCARIA LM. Visita em Unidades de Terapia Intensiva: concepção dos familiares quanto à humanização do atendimento. Arq. Ciênc. Saúde. 2008. 15(2):65-92.

- OLIVEIRA LMA C, NUNES EDCA. Cuidando da Família na Uti: Desafio de Enfermeiros na Práxis Interpessoal do Acolhimento. Texto Contexto Enfermagem.2014. 23(4): 954-63

- OMS. Icidh-2: Internacional Classification of Functioning and Disability. Genebra: Organização Mundial De Saúde; 1999.

- GUASTELLI R, SILVA ALM, KNOBEL E. O ambiente como fator de humanização em UTI. Atheneu. 2008 São Paulo

Publicado

2018-03-10

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS