Humanização hospitalar e violência simbólica: a percepção das mães em UTIs Neonatais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18569/tempus.v10i3.1914

Palavras-chave:

Política Nacional de Humanização. UTI Neonatal, História Oral de Vida, Violência Simbólica.

Resumo

O artigo procura situar o processo de humanização no campo das relações de poder e analisa a ocorrência da violência simbólica como agravante da desumanização em hospitais. Para consecução do objetivo, foi realizada pesquisa qualitativa com mães cujos filhos estiveram internados em UTI Neonatal. A partir do resgate da história oral de vida os relatos foram tratados pelo método da Análise de discurso, proposto por Bardin (1977), sendo categorizados em fatores humanizadores e desumanizadores. Os relatos associados aos fatores humanizadores valorizaram o tratamento personalizado e não apenas de acordo com procedimentos técnicos. Quanto aos fatores desumanizadores, além da falta de estrutura física dos hospitais, emergem os relatos de não-acolhimento, de hostilidade e violência simbólica, evidenciando que o processo de humanização passa, sobretudo, pelo estabelecimento de relações menos assimétricas de poder entre a equipe hospitalar e as mães acompanhantes.

Referências

Deslandes SF. Análise do discurso oficial sobre a humanização da assistência hospitalar. Ciênc. Saúde Coletiva. 2004; 9(1):7-14.

Rugolo LMSS, Bottino J, Scudeler SRM, Bentlin MR, Trindade CEP, Perosa GB, et al. Sentimentos e percepções de puérperas com relação à assistência prestada pelo serviço materno-infantil de um hospital universitário. Rev. Brasileira Saúde Materno Infantil [online]. 2004; 4(4):423-433.

Chalmers B. How often must we ask for sensitive care before we get it? Birth, 2002.

Vasconcelos MGL, Leite AM, Scochi CGS. Significados atribuídos à vivência materna como acompanhante do recém-nascido pré-termo e de baixo peso. Rev. Bras. Saude Mater. Infant. [online]. 2006; 6(1):47-57.

Dias GT, Souza JS, Franco LMC, Barçante TA. Humanização do cuidado na Unidade. Rev. Enferm. UFPE [online]. 2010; 4:941-947.

BRASIL. Ministério da Saúde. Atenção humanizada ao RN de baixo peso: método canguru. Brasília, DF, 2001.

Deslandes SF. Humanização: revisitando o conceito a partir das contribuições da sociologia médica. In: Deslandes, S. (org). Humanização dos cuidados em saúde: conceitos, dilemas e práticas. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2006.

Ayres JRCM. Cuidados e Humanização das práticas de saúde. In: Deslandes, S. (org). Humanização dos cuidados em saúde: conceitos, dilemas e práticas. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2006.

Foucault M. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1979.

Machado R. Por uma genealogia do poder. In: Foucault M. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Edições Graal; 1979. p VII-XXIII

Foucault M. A ordem do discurso. São Paulo: Loyola, 1996.

Bourdieu P. O poder simbólico. 10 ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2007.

Pereira WR. Poder, violência e dominação simbólicas nos serviços públicos de saúde. Texto Contexto Enferm. 2004; 13(3):391-400.

BRASIL. Ministério da Saúde. Programa Nacional de Humanização da Assistência Hospitalar. Secretaria de Assistência à Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2000.

_____. Ministério da Saúde. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. Humaniza SUS Política Nacional de Humanização: documento para discussão. Brasília: Ministério da Saúde, 2003.

Alves CA, Deslandes SF, Mitre RMA. Challenges of humanization in the context of pediatric nursing care of medium and high complexity. Interface – Comunic. Saúde. Educ. 2009; 13(1):581-94.

Soares JCRS, Camargo Júnior KR. A autonomia do paciente no processo terapêutico como valor para a saúde. Interface – Comunic. Saúde Educ. 2007; 11(21):65-78.

Benevides R, Passos E. A humanização como dimensão pública das políticas de saúde. Ciência & Saúde Coletiva. 2005; 10(3).

Benevides R, Passos E. Humanização na saúde: um novo modismo? Comunic, Saúde e Educ. 2005; 9(17):389-406.

Gallian DC, Pondé LF, Ruiz R. Humanização, humanismos e humanidades - Problematizando conceitos e práticas no contexto da saúde no Brasil. Rev. Internacional de Humanidades Médicas. 2012; 1(1):5-15.

Lacerda A, Valla V. Homeopatia e apoio social: repensando as práticas de integralidade na atenção e cuidado à saúde. In: PINHEIRO, R.; MATTOS, R. A. (Org.). Construção da Integralidade: cotidiano, saberes e

práticas em saúde. Rio de Janeiro: ABRASCO, 2003. p. 169-196.

Barra DCC, Justina AD, Bernardes JFL, Vespoli F, Rebouças U, Cadete MMM. Processo de humanização e a tecnologia para o paciente internado em uma unidade de terapia intensiva. Rev. Mineira de Enfermagem. 2005; 9(4):341-347.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. Acolhimento nas práticas de produção de saúde. 2. Ed. Brasília, Ministério da Saúde, 2010.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec/ABRASCO, 1992.

Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

Vila VSC, Rossi LA. O significado cultural do cuidado humanizado em unidade de terapia intensiva: “muito falado, pouco vivido”. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2002; 10(2):137-44.

Medina RF, Backes VMS. A humanização no cuidado ao cliente cirúrgico. Rev. Bras. Enferm. 2002; 55(5):522-527.

BRASIL. Lei No 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, seção 1, p. 13563, jul. 1990. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8069.htm>. Acesso em: 04 jan. 2016.

Machado R. Por uma genealogia do poder. In: Foucault M. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Edições Graal; 1992. P VII-XXIII.

Oliveira R, Maruyama SAT. Princípio da integralidade numa UTI pública: espaço e relações entre profissionais de saúde e usuários. Rev. Eletr. Enf. [Internet]., 2009; 11(2):375-382.

Klaus MH, Kennel JH. Pais/bebê - a formação do apego. Porto Alegre: Artes Médicas, 1993.

Couto FF, Praça NS. Preparo dos pais de recém-nascido prematuro para alta hospitalar: uma revisão bibliográfica. Esc Anna Nery Ver Enferm. 2009; 13(4):886-891.

Santos-Filho SB. Perspectivas da avaliação na Política Nacional de Humanização em Saúde: aspectos conceituais e metodológicos. Ciênc. saúde coletiva[online]., 2007; 12(4):999-1010.

Marshall RE. Neonatal Pain Associated with Caregiving Procedures. Pediatric Clinics of North America. 1989; 36(4):885-903.

Barker DP, Rutter N. Exposure to invasive procedures in Neonatal Intensive Care unit admissions. Archives of Disease in Childhood - Fetal and Neonatal Edition. 1995; 72: 47-48.

Publicado

2016-11-21

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS