Cultura faz bem à saúde! A experiência do Circuito de Ocupação Cultural para a Saúde no Distrito Federal.

Autores

  • Ana Scharmann Universidade de Brasília - Núcleo de Estudos de Saúde Pública
  • Felipe Medeiros Pereira
  • Ana Júlia Tomasini
  • Nathália Gameiro
  • Luciana Sepúlveda Köptcke

DOI:

https://doi.org/10.18569/tempus.v9i3.1799

Resumo

O presente artigo analisa a experiência do Circuito de Ocupação Cultural pela Saúde, realizado, pelo Programa Educação Cultura e Saúde – Fundação Oswaldo Cruz, em parceria com as Secretarias de Saúde e de Cultura do Governo do Distrito Federal, com o apoio do Fundo de Apoio à Cultura (FAC-DF). A relação entre a Cultura e a Saúde constitui um importante empreendimento intersetorial, que ainda é emergente na busca pela promoção da saúde. Discute-se, neste texto, as potencialidades das intervenções artísticas dentro dos espaços de saúde, a partir de uma perspectiva que busca valorizar a compreensão dos Determinantes Sociais de Saúde. Para tanto, foram sistematizadas as informações referentes às atividades realizadas pelo Circuito de Ocupação Cultural pela Saúde, de fevereiro de 2014 a maio de 2015, com a finalidade de levar para os equipamentos de saúde contrapartidas artísticas do Fundo de Apoio à Cultura. Dentre os dados disponíveis nos registros textuais das atividades, foram analisados quais foram os equipamentos de saúde mais atendidos pelo circuito, bem como o público alvo das atividades e as linguagens artísticas utilizadas. Discute-se, ainda, alguns fatores que facilitaram a implementação desta iniciativa.

Referências

Akerman Marco, Franco de Sá Ronice, Moyses Simone, Rezende Regiane, Rocha Dais. Intersetorialidade? IntersetorialidadeS!. Ciênc. saúde coletiva

Amarante, P., Freitas, F., Rangel, P., M., Nabuco, E., El campo artístico-cultural en la reforma psiquiátrica brasileña: el paradigma identitário del reconocimiento, Salud Coletiva, 2013,9(3).Lanus dic.

Bardin, Laurence. Análise de conteúdo.Lisboa:Edições 70, 2009.

Buss Paulo Marchiori, Pellegrini Filho Alberto. A saúde e seus determinantes sociais. Physis, 2007,17(1): 77-93 .

Buss P M., Pellegrini Filho A. Iniquidades em saúde no Brasil, nossa mais grave doença: comentários sobre o documento de referência e os trabalhos da Comissão Nacional sobre Determinantes Sociais da Saúde. Cad. Saúde Pública, 2006, 22(9): 2005-2008.

Buss P M, Carvalho A.I de. Desenvolvimento da promoção da saúde no Brasil nos últimos vinte anos (1988-2008). Ciênc. saúde coletiva . 2009, 14(6): 2305-2316.

Camic P., Chatterjee H.J. Museums and art galleries as partners for public health interventions. Perspectives in Public Health. 2013;133:66–71

Corbella, L., Amarante, P., Cultura y Locura, Acción Cultural y Reforma Psiquiátrica, in Topia, un sitio de psicoanálisis, sociedad y cultura. Disponível em: http://www.topia.com.ar/articulos/cultura-y-locura Acesso em 30.abr.2015.

Dias, M., S., de A., Parente, J.R.F., Vasconcelos, M.I.O., Dias, F.A.C, Intersetorialiade e Estratégia Saúde da Família: tudo ou nada a ver? Ciência e Saúde Coletiva, 19(11):4371-4382,2014.

Françani G M, Zilioli D, Silva P R F, Sant’ana R P de M, Lima R A G de. Prescrição do dia: infusão de alegria. Utilizando a arte como instrumento na assistência à criança hospitalizada. Rev.Latino-Am. Enfermagem, 1998, 6(5): 27-33.

Hsieh, HF; Shannon, E. S. Three Approches to Qualitative Content Analysis. Qualitative Health Research, 15 (9), 2005.

Tavares C M. Oficina de arte: atuação terapêutica da enfermeira psiquiátrica. Rev. bras. enferm.,1997, 50(4): 569-576.

Downloads

Publicado

2015-12-28

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)