Leishmaniose Canina em Brasília, DF: Uma Revisão da Literatura.

Autores

  • Tatyere Constâncio de Sousa Universidade de Brasília - Núcleo de Estudos de Saúde Pública
  • Ariadine Kelly Pereira Rodrigues Francisco
  • Isabele Barbieri dos Santos

DOI:

https://doi.org/10.18569/tempus.v9i3.1796

Resumo

A leishmaniose é uma doença infecto-parasitária que acomete seres humanos e animais, causada por protozoários do gênero Leishmania. As leishmanioses são importante problema de saúde pública em vários países e estão incluídas entre as seis endemias de maior relevância mundial. São classificadas em tegumentar (LT) cutânea e mucocutânea - e visceral (LV). A transmissão ocorre através de picada de insetos flebotomíneos pertencentes aos gêneros Lutzomyia (Novo Mundo) e Phlebotomus(Velho Mundo). A Leishmaniose Tegumentar Americana (LTA) é uma zoonose distribuída no território brasileiro. Possui evolução crônica e acomete a pele e mucosas, isoladamente ou em associação, de seres humanos, cães, gatos e eqüinos. Nos cães, se caracteriza pela presença de lesões cutâneas ulceradas, recobertas por crostas, localizadas nas orelhas, bolsa escrotal, focinho e membros. A Leishmaniose visceral é uma zoonose que ocorre nas regiões subtropicais e tropicais, causada pela Leishmania (Leishmania) chagasi, no Novo e no Velho Mundo. No Brasil, a Leishmaniose Visceral Canina (LVC) coexiste com a doença humana e os cães são seu reservatório doméstico. A eutanásia do cão é criticada por isso enfrenta limitações. Apesar das ações de vigilância e controle de LV adotadas no DF, a doença permanece em áreas urbanas e rurais.

Downloads

Publicado

2015-12-28

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS