Planejamento de Recursos Humanos de Saúde e Ambiente - aspectos históricos, teóricos e reflexões para políticas públicas em Vigilância em Saúde Ambiental no Brasil.

Autores

  • Juliana Wotzasek Rulli Villardi Universidade de Brasília - Núcleo de Estudos de Saúde Pública
  • Jorge Mesquista Huet Machado
  • Guilherme Franco Netto
  • André Luiz Dutra Fenner
  • Daniela Buosi Rolfs

DOI:

https://doi.org/10.18569/tempus.v9i3.1789

Resumo

As relações entre a saúde e o ambiente no âmbito das atribuições do Sistema Único de Saúde é um desafio no cuidado coletivo na perspectiva da identificação, prevenção, controle e das recomendações de processos envolvidos na exposição humana às situações ambientais que possam gerar impacto e consequências negativas para a saúde humana. As reflexões sobre os caminhos da vigilância em saúde ambiental (VSA), seu histórico, conceito, teoria e alternativas metodológicas, que geram informação para tomada de decisão e inclui possibilidades de interpretação e transformação da realidade são os objetivos abordados neste ensaio. A partir de uma pesquisa exploratória sobre a Vigilância em Saúde Ambiental no Brasil, suas práticas e teorias, foi realizada uma revisão sobre a vigilância em saúde ambiental no Brasil, e seu contexto teórico e histórico. O objeto da Vigilância em Saúde Ambiental é a relação sócio ecológica do ambiente, da saúde e da sustentabilidade, e há que se avançar e pensar na análise de situação de saúde ambiental como eixo da discussão do seu objeto produzindo informação qualificada para a intervenção solidária e democrática tendo a saúde como valor que traz a discussão da sustentabilidade, da equidade, com a incorporação de uma política social que interaja condicionando o desenvolvimento econômico e social.

Referências

ROSEN, G. Uma História da Saúde Pública. São Paulo, Rio de Janeiro: Hucitec, Unesp, Abrasco, 1994

BATISTELLA, C. Saúde, doença e cuidado: complexidade teórica e necessidade histórica. In: FONSECA, Angélica Ferreira; CORBO, Anamaria D’Andrea. (Orgs.). O território e o processo

saúde doença. Rio de Janeiro; EPSJV, 2007. 265: 25-49.

FOUCAULT, M. O nascimento da medicina social. In: FOUCAULT, M. Microfísica do Poder. 3.ed. Rio de Janeiro: Graal, 1982b

GUTIERREZ, P. R. & OBERDIEK, H. I. Concepções sobre a saúde e a doença. In: ANDRADE, S. M. de; SOARES, D. A. & CORDONI JUNIOR, L. (Orgs.) Bases da Saúde Coletiva.

Londrina: UEL, 2001.

TAMBELLINI, A; MIRANDA, A. Saude e Ambiente - In:Políticas e Sistema de Saúde no Brasil. Giovanella L, Escorel S, Lobato LVC, Noronha JC, Carvalho AI, organizadores. 2ªEd. Rio

de Janeiro: Editora Fiocruz; 2013: 1037-1073.

CZERESNIA, D. Do Contágio à Transmissão: ciência e cultura na gênese do conhecimento epidemiológico. Rio de Janeiro: Fiocruz, 1997.

PALMEIRA, G. et al. Processo saúde doença e a produção social da saúde. In: EPSJV. (Org.) Informação e Diagnóstico de Situação. Rio de Janeiro: Fiocruz, EPSJV, 2004. (Série Material

Didático do Programa de Formação de Agentes Locais de Vigilância em Saúde – Proformar)

RIOS, J. L. P. - Poluição e degradação ambiental - LNEC - Lisboa, 1974

Lalonde M. A new perspective on the health of Canadians. A working document. Ottawa: Government of Canada, 1974

Minkler M. Health education, health promotion and the open society: an historical perspective. Health Educ Q 1989 Spring;16(1):17-30

Frohlich KL, Potvin L. Transcending the known in public health practice. The inequality paradox: the population approach and vulnerable populations. Am J Public Health 2008

Feb;98(2):216-21

International Monetary Fund. (2000). “Globalization: Threats or Opportunity.” 12th April 2000: IMF Publications.

Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Subsídios para a construção da Política Nacional de Saúde Ambiental / Ministério da Saúde, Conselho Nacional de Saúde. – Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2007

Brasil. VII Conferencia Nacional de Saúde. Relatório Final. Disponível em http://conselho.

saude.gov.br/biblioteca/relatorios/relatorio_8.pdf. Acesso em 24. fev.2015

Moreira, R. J. Críticas ambientalistas a revolução verde. Estudos Sociedade e Agricultura. 15:39-52, out 2000.

Corvalán, C.; Briggs, D.; Kjellstrom, T. Development of environmental health indicators. In: Briggs, D.; Corvalan, C.; Nurminen, M. Linkage methods for environment and health analysis. General guidelines. Genebra: UNEP, USEPA, WHO, 1996

Domingues, E. Indicadores de sustentabilidade para gestão dos recursos hídricos no Brasil. Relatório de consultoria ao Centro Internacional de Desenvolvimento Sustentável, Fundação Getúlio Vargas e Escola Brasileira de Administração Pública. Rio de Janeiro: FGV; CIDS; EBAP, 2000

Tambellini, A; Miranda, A. Saúde e Ambiente - In: Políticas e Sistema de Saúde no Brasil. Giovanella L, Escorel S, Lobato LVC, Noronha JC, Carvalho AI, organizadores. 2ªEd. Rio de Janeiro:

Editora Fiocruz; 2013: 1037-1073.

Paim JS. Epidemiologia e planejamento: a recomposição das práticas epidemiológicas na gestão do SUS. Ciência & Saúde Coletiva 8(2):557-567. 2003

WHO/PAHO. Essential Public Health Functions. http://www.paho.org/hq/index.php?option=

com_content&view=category&layout=blog&id=3175&Itemid=3617 Acesso em 13.jan.2014.

Netto, Guilherme Franco; VillardI, Juliana; et ali. Termo de Referência - Vigilância em Saúde - Tópicos para serem abordados, Reunião de 14/10/2013. (Mimeo).

BrachmaN, P. S. Public health surveillance. In: Brachman, P. S.; Abrutyn, E. (Eds.). Bacterial infection of humans: epidemiology and control. New York: Springer, 2009.

Choi, B. C. K. The past, present and future of public health surveillance. Scientifica, v. 2012, 2012: 26.

Langmuir, A. D. The surveillance of communicable diseases of national importance. N. Engl. J. Med., v. 268, p. 182-92, 1963

Silva Júnior, J B. Epidemiologia em serviço: uma avaliação de desempenho do Sistema Nacional de Vigilância em Saúde. 318 f. Tese (Doutorado em Saúde Coletiva) - Faculdade de Ciências

Médicas, Universidade Estadual de Campinas. Campinas, SP, 2004.

Tambellini, A; Miranda, A. Saúde e Ambiente - In: Políticas e Sistema de Saúde no Brasil. Giovanella L, Escorel S, Lobato LVC, Noronha JC, Carvalho AI, organizadores. 2ªEd. Rio de

Janeiro: Editora Fiocruz; 2013: 1037-1073

Kuhn, T. S. A estrutura das revoluções científicas. São Paulo: Editora Perspectiva, 1987.

Porto, M F Sa; Rocha, D F; Finamore, R. Saúde coletiva, território e conflitos ambientais: bases para um enfoque socioambiental crítico. Ciênc. Saúde coletiva, 2014, 19 (10): 4071-4080.

Barata, R. Iniquidade e saúde: a determinação social do processo saúde-doença Revista USP, São Paulo, 2001, 51:138-145.

Buss, Paulo, M. & Pelegrini Filho, Alberto. – A saúde e seus determinantes sociais. Physis: Revista Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 17(1):77-93, 2007.

Muñoz Sanchez, A.I. e Bertolozzi, M. R. – Pode o conceito de vulnerabilidade apoiar a construção do conhecimento em saúde coletiva?. Revista Ciência e Saúde Coletiva, 12(2):319-

2007

Porto, MFS; Rocha, DF; Finamore, R. Saúde coletiva, território e conflitos ambientais: bases para um enfoque socioambiental crítico. Ciênc. Saúde coletiva 2014, 19 (10): 4071-4080.

Carta Política do 2° Simpósio Brasileiro de Saúde e Ambiente. Belo Horizonte, 22 de outubro de 2014. Acesso em 02.dez.2014. Disponível em http://www.sibsa.com.br/informativo/

view?TIPO=&ID_INFORMATIVO=103

Kuhn, T. S. A estrutura das revoluções científicas. 11.ed. São Paulo: Perspectiva, 2011. 264p.

Bocchi, G. & Ceruti, R., 1987. La sfida della Complessità. Milano: Feltrinelli.

Schramm, F R.; Castiel, L D. Processo saúde/doença e complexidade em epidemiologia. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 1992, 8 (4).

Morin, E. Introduction à la Pensée Complexe. Paris: ESF, 1990.

Schramm, F R. Interpretação complexa da lei de hume e da falácia naturalista. Mimeo. 2011. Artigo

Downloads

Publicado

2015-12-28

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)