Avaliação discente sobre interação ensino, serviços e comunidade em equipes de saúde integradas ao programa mais médicos em estado da Amazônia
PDF
Tabelas e Gráficos

Palavras-chave

Educação médica
Medicina de família e comunidade
Avaliação Educacional Educación Médica
Medicina Familiar y Comunitaria
Evaluación Educacional

Como Citar

Santos, B. Érison F. dos, Sena, I. S., Alves, C. P., Batista, N. A., Nazina, M. T. S. T., & Morais, L. do S. da S. (2015). Avaliação discente sobre interação ensino, serviços e comunidade em equipes de saúde integradas ao programa mais médicos em estado da Amazônia. Tempus – Actas De Saúde Coletiva, 9(4), Pág. 123-136. Recuperado de //tempus.unb.br/index.php/tempus/article/view/1736

Resumo

A Universidade Federal do Amapá (UNIFAP) apresenta em sua estrutura curricular eixo com interação ensino, serviços e comunidade (IESC) desde o primeiro ano de formação, através do qual é oportunizado aos alunos vivências interdisciplinares e de prática profissional. Este estudo propôs avaliar a experiência de aprendizado nas atividades de ensino na comunidade durante o acompanhamento de equipes de saúde da família do Programa Mais Médicos Para o Brasil (PMMB) pelos acadêmicos de medicina. Foi realizada pesquisa com abordagem quantiqualitativa através de questionário semiestruturado e questões abertas. Pesquisa foi aprovada pelo comitê de ética da instituição. Os discentes avaliaram que foi possível conhecer as condições de saúde (68,18%), aprimorar o aprendizado no atendimento das populações carentes (63,63%) e identificar suas necessidades de aprendizado (63,63%). Consideraram que tiveram oportunidade de acompanhar consultas (86,36%) e aprender mesmo em ambiente com muitos atendimentos (54,55%). Os profissionais receberam alunos com entusiasmo (77,27%) e disponibilidade para esclarecer dúvidas (59,09%). O tema mais citado como ponto a melhorar foi a rotina na atenção básica, pois perceberam que se baseia principalmente na observação sem participação ativa dos discentes. Em comparação ao ano anterior, 73,92% dos alunos afirmaram ter havido melhora nas atividades da IESC. De modo geral, a maioria dos acadêmicos avaliou positivamente a experiência com o PMMB. Os alunos consideraram que essa abordagem proporcionou oportunidades para conhecer rotinas na atenção básica e o perfil da comunidade atendida, abrangendo tanto seus aspectos clínicos como psicossociais.
PDF
Tabelas e Gráficos

Referências

Carvalho MS, Sousa MF. Como o Brasil em enfrentado o tema provimento de médicos? Interface – Comunicação, Saúde, Educação. V. 17, n. 47, p.913-26, out/dez 20013.

Cyrino AP, Godoy D, Cyrino EG. Saúde, ensino e comunidade, reflexões sobre práticas de ensino na atenção primária à saúde. São Paulo: Cultura Acadêmica. 2014.

Alves CL, Belisário SA, Abreu DMX. Curricular transformations in medical school: na exploration of the promotion change in Brazil. Medical Education 2013: 47: 617-626

Ministério da Saúde. Programa mais médicos – dois anos: mais saúde para os brasileiros. Brasília, DF: O Ministério; 2015.

Brasil. Lei n. 12.871, de 22 de outubro de 2013. Institui o Programa Mais Médicos, altera a lei 8.745, de 9 de dezembro de 1993, e nº 6.932, de 7 de julho de 1981, e da outras providências. Disponível em: Acesso em: 28 set. 2015.

Brasil. Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Medicina. Brasília, DF: O Ministério; 2014.

BrandãoI ERM, RochaII SV, da SilvaI, SS. Práticas de Integração Ensino-Serviço-Comunidade: Reorientando a Formação Médica. Revista Brasileira de Educação Médica, 2013; 37(4), 573-577.

Leung KK, Liu WJ, Wang WD, Chen CY. Factors affecting students’ evaluation in a community service-learning program. Advances in Health Sciences Education. 2007; 12(4), 475-490.

Birden HH, Wilson I. Rural placements are effective for teaching medicine in Australia: evaluation of a cohort of students studying in rural placements. 2012.

Likert RA. Technique for the measurement of attitudes. Arch. Psychol. v. 140, p. 1-55, 1932.

Associação Médica Mundial. Declaração de Helsinque. Princípios éticos para a pesquisa em seres humanos. Helsinque, 1964.

Brasil. Conselho Nacional de Saúde.. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf. Acesso em: 25 ago. 2015.

MartinsI AC, SchlosserI AR, de ArrudaI RA, KleinI WW, AndradeI BWB, LabatI ALB, da Silva-NunesI M. Ensino Médico e Extensão em Áreas Ribeirinhas da Amazônia. Revista Brasileira de Educação Médica. 2013; 37(4), 566-572.

Romanholi RMZ, Cyrino EG. A Visita domiciliar na formação de médicos: da concepção ao desafio do fazer. Interface-Comunicação, Saúde, Educação. 2012; 693-705.

Guss G, Lopes JMC. Tratado de Medicina de Família e Comunidade: 2 Volumes: Princípios, Formação e Prática. Artmed. 2012.

Troncon LDEA. Ensino clínico na comunidade. Medicina (Ribeirão Preto. Online). 1999; 32(3).

Oliveira HL. Medical education and development. World Health Organization Regional Office for the Eastern Mediterraneum, EMRO/71/370, 1971.

dos Santos FrancoI CAG, CubasI MR, FrancoI RS. Currículo de Medicina e as Competências Propostas pelas Diretrizes Curriculares.Revista Brasileira de Educação Médica. 2014; 38(2), 221-230.

Dent JA, Harden RM. A Practical Guide for Medical Teachers (4th Ed.) London: Churchill Livingstone Elsevier. 2013.

Adler MS, Gallian DMC. Formação médica e serviço único de saúde: propostas e práticas descritas na literatura especializada. Rev. bras. educ. méd. 2014; 38(3), 388-396.

Brasil. Ministério da Saúde. Humaniza-SUS: documento base para gestores e trabalhadores do SUS. 3.ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2006.