Avaliação discente sobre interação ensino, serviços e comunidade em equipes de saúde integradas ao programa mais médicos em estado da Amazônia

Autores

  • Bráulio Érison França dos Santos Universiade Federal do Amapá
  • Iuri Silva Sena Universidade Federal do Amapá
  • Caroline Pires Alves Universidade Federal do Amapá
  • Nardiel Alves Batista Universidade Federal do Amapá
  • Maira Tiyomi Sacata Tongu Nazina Universidade Federal do Amapá
  • Leila do Socorro da Silva Morais Universidade Federal do Amapá

Palavras-chave:

Educação médica, Medicina de família e comunidade, Avaliação Educacional

Resumo

A Universidade Federal do Amapá (UNIFAP) apresenta em sua estrutura curricular eixo com interação ensino, serviços e comunidade (IESC) desde o primeiro ano de formação, através do qual é oportunizado aos alunos vivências interdisciplinares e de prática profissional. Este estudo propôs avaliar a experiência de aprendizado nas atividades de ensino na comunidade durante o acompanhamento de equipes de saúde da família do Programa Mais Médicos Para o Brasil (PMMB) pelos acadêmicos de medicina. Foi realizada pesquisa com abordagem quantiqualitativa através de questionário semiestruturado e questões abertas. Pesquisa foi aprovada pelo comitê de ética da instituição. Os discentes avaliaram que foi possível conhecer as condições de saúde (68,18%), aprimorar o aprendizado no atendimento das populações carentes (63,63%) e identificar suas necessidades de aprendizado (63,63%). Consideraram que tiveram oportunidade de acompanhar consultas (86,36%) e aprender mesmo em ambiente com muitos atendimentos (54,55%). Os profissionais receberam alunos com entusiasmo (77,27%) e disponibilidade para esclarecer dúvidas (59,09%). O tema mais citado como ponto a melhorar foi a rotina na atenção básica, pois perceberam que se baseia principalmente na observação sem participação ativa dos discentes. Em comparação ao ano anterior, 73,92% dos alunos afirmaram ter havido melhora nas atividades da IESC. De modo geral, a maioria dos acadêmicos avaliou positivamente a experiência com o PMMB. Os alunos consideraram que essa abordagem proporcionou oportunidades para conhecer rotinas na atenção básica e o perfil da comunidade atendida, abrangendo tanto seus aspectos clínicos como psicossociais.

Biografia do Autor

Bráulio Érison França dos Santos, Universiade Federal do Amapá

Professor Assistente de Medicina. Mestre em Ciências da Saúde. Membro do Núcleo Docente Estruturante da Universidade Federal do Amapá.

Iuri Silva Sena, Universidade Federal do Amapá

Acadêmico de Medicina da Universidade Federal do Amapá.

Caroline Pires Alves, Universidade Federal do Amapá

Acadêmica de Medicina da Universidade Federal do Amapá.

Nardiel Alves Batista, Universidade Federal do Amapá

Acadêmico de Medicina da Universidade Federal do Amapá.

Maira Tiyomi Sacata Tongu Nazina, Universidade Federal do Amapá

Professora Adjunta de Medicina. Doutora em Oftalmologia. Coordenadora do Curso de Medicina da Universiade Federal do Amapá.

Leila do Socorro da Silva Morais, Universidade Federal do Amapá

Professora Auxiliar de Medicina. Especialista em Pneumologia. Membro do Núcleo Docente Estruturante da Universidade Federal do Amapá.

Referências

Carvalho MS, Sousa MF. Como o Brasil em enfrentado o tema provimento de médicos? Interface – Comunicação, Saúde, Educação. V. 17, n. 47, p.913-26, out/dez 20013.

Cyrino AP, Godoy D, Cyrino EG. Saúde, ensino e comunidade, reflexões sobre práticas de ensino na atenção primária à saúde. São Paulo: Cultura Acadêmica. 2014.

Alves CL, Belisário SA, Abreu DMX. Curricular transformations in medical school: na exploration of the promotion change in Brazil. Medical Education 2013: 47: 617-626

Ministério da Saúde. Programa mais médicos – dois anos: mais saúde para os brasileiros. Brasília, DF: O Ministério; 2015.

Brasil. Lei n. 12.871, de 22 de outubro de 2013. Institui o Programa Mais Médicos, altera a lei 8.745, de 9 de dezembro de 1993, e nº 6.932, de 7 de julho de 1981, e da outras providências. Disponível em: Acesso em: 28 set. 2015.

Brasil. Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Medicina. Brasília, DF: O Ministério; 2014.

BrandãoI ERM, RochaII SV, da SilvaI, SS. Práticas de Integração Ensino-Serviço-Comunidade: Reorientando a Formação Médica. Revista Brasileira de Educação Médica, 2013; 37(4), 573-577.

Leung KK, Liu WJ, Wang WD, Chen CY. Factors affecting students’ evaluation in a community service-learning program. Advances in Health Sciences Education. 2007; 12(4), 475-490.

Birden HH, Wilson I. Rural placements are effective for teaching medicine in Australia: evaluation of a cohort of students studying in rural placements. 2012.

Likert RA. Technique for the measurement of attitudes. Arch. Psychol. v. 140, p. 1-55, 1932.

Associação Médica Mundial. Declaração de Helsinque. Princípios éticos para a pesquisa em seres humanos. Helsinque, 1964.

Brasil. Conselho Nacional de Saúde.. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf. Acesso em: 25 ago. 2015.

MartinsI AC, SchlosserI AR, de ArrudaI RA, KleinI WW, AndradeI BWB, LabatI ALB, da Silva-NunesI M. Ensino Médico e Extensão em Áreas Ribeirinhas da Amazônia. Revista Brasileira de Educação Médica. 2013; 37(4), 566-572.

Romanholi RMZ, Cyrino EG. A Visita domiciliar na formação de médicos: da concepção ao desafio do fazer. Interface-Comunicação, Saúde, Educação. 2012; 693-705.

Guss G, Lopes JMC. Tratado de Medicina de Família e Comunidade: 2 Volumes: Princípios, Formação e Prática. Artmed. 2012.

Troncon LDEA. Ensino clínico na comunidade. Medicina (Ribeirão Preto. Online). 1999; 32(3).

Oliveira HL. Medical education and development. World Health Organization Regional Office for the Eastern Mediterraneum, EMRO/71/370, 1971.

dos Santos FrancoI CAG, CubasI MR, FrancoI RS. Currículo de Medicina e as Competências Propostas pelas Diretrizes Curriculares.Revista Brasileira de Educação Médica. 2014; 38(2), 221-230.

Dent JA, Harden RM. A Practical Guide for Medical Teachers (4th Ed.) London: Churchill Livingstone Elsevier. 2013.

Adler MS, Gallian DMC. Formação médica e serviço único de saúde: propostas e práticas descritas na literatura especializada. Rev. bras. educ. méd. 2014; 38(3), 388-396.

Brasil. Ministério da Saúde. Humaniza-SUS: documento base para gestores e trabalhadores do SUS. 3.ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2006.

Publicado

2015-12-31

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)