Parto natural: a atuação do enfermeiro diante da assistência humanizada

Autores

  • Sinara Santos Pereira Centro Universitário de Barra Mansa. Brasil. Secretaria Municipal de saúde do Município de Resende.
  • Izabela Cristina Martins dos Santos Oliveira Centro Universitário de Barra Mansa. Brasil. Secretaria de Saúde de Angra dos Reis.
  • Josiane Bom da Silva Santos Centro Universitário de Barra Mansa. Brasil.
  • Maria Cristina de Melo P. Carvalho Ministério da Saúde Professora visitante do Programa de Pós Graduação do Centro Universitário de Barra Mansa Secretaria Municipal de Saúde - RJ

DOI:

https://doi.org/10.18569/tempus.v10i3.1727

Palavras-chave:

Parto Natural, humanização, Enfermeiras Obstétricas

Resumo

A pesquisa teve como objeto de estudo A atuação do enfermeiro no parto natural na perspectiva da humanização. Seus objetivos foram identificar as ações cuidadoras que o enfermeiro implementa no parto normal, verificar os fatores que interferem na humanização da assistência de enfermagem no parto natural e levantar a visão dos enfermeiros em relação as reações percebidas pelas gestantes após o recebimento da assistência humanizada. Justifica-se pela incidência de mortalidade materna e perinatal ocorridas durante o parto cesáreo. Trata-se de uma pesquisa descritiva com abordagem qualitativa que teve como sujeitos um quantitativo de 05 enfermeiros obstetras. O cenário da pesquisa foi uma maternidade de pequeno porte da Região Sul Fluminense do Médio Paraíba. O instrumento para coleta de dados foi um questionário contendo perguntas abertas. A análise de dados foi através de categorias analíticas. Os enfermeiros relataram uma avaliação positiva das parturientes com relação à assistência prestada. Observou-se que as enfermeiras entrevistadas detém o conhecimento prático, teórico e científico sobre a humanização do parto e realizam a assistência condizente com seus conhecimentos, porém existem fatores que as impedem na implementação dessas ações.

Biografia do Autor

Sinara Santos Pereira, Centro Universitário de Barra Mansa. Brasil. Secretaria Municipal de saúde do Município de Resende.

Mestre em Enfermagem pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro. Coordenadora da Pós Graduação Oncologia em Enfermagem e Relatora do Comitê e Ética em Pesquisa do Centro Universitário de Barra Mansa. Brasil. Enfermeira da Secretaria Municipal de saúde do Município de Resende.

Izabela Cristina Martins dos Santos Oliveira, Centro Universitário de Barra Mansa. Brasil. Secretaria de Saúde de Angra dos Reis.

Graduação em Enfermagem pelo Centro Universitário de Barra Mansa. Brasil. Enfermeira da Secretaria de Saúde de Angra dos Reis.

Josiane Bom da Silva Santos, Centro Universitário de Barra Mansa. Brasil.

Graduação em Enfermagem pelo Centro Universitário de Barra Mansa. Brasil.

Maria Cristina de Melo P. Carvalho, Ministério da Saúde Professora visitante do Programa de Pós Graduação do Centro Universitário de Barra Mansa Secretaria Municipal de Saúde - RJ

Doutora em Enfermagem. Especialista em Enfermagem Oncológica.Professora visitante do Programa de Pós Graduação do Centro Universitário de Barra Mansa. Pesquisadora Colaboradora do Núcleo de Saúde da Mulher da EEAN /UFRJ.Enfermeira do Ministério da Saúde.

Referências

Moura FMSSP, Crizostomo CD, Nery IS, Medonça RCM, Araújo OD, Rocha SS. Humanization and nursing assistance to normal childbirth. Rev. bras. enferm. 2007; 60(4):452-455

Brasail.Secretaria de Políticas de Saúde. Parto, aborto e puerpério: assistência humanizada a mulher. Brasília: Ministério da Saúde, 2001. Disponível em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cd04_13.pdf.Acesso em 23/04/2012.

Rodrigues, DP, Silva RM, Fernandes AFC. Ação interativa enfermeiro-cliente na assistência obstétrica. R Enferm UERJ.2006;14(2):232-8.

Souza TG, Gaíva MAM, Modes PSSA. A humanização do nascimento: percepção dos profissionais de saúde que atuam na atenção ao parto. Rev Gaúcha Enferm. Rev. Gaúcha Enferm. 2011; 32(3): 479-86

Marques FC, Dias IMV, Azevedo L. A Percepção da equipe de Enfermagem sobre Humanização do Parto e Nascimento. Esc Anna Nery R Enferm. 2006; 10 (3): 439- 47.

Mouta RJO, Pilotto DTS, Vargens OMC et al.. Relação entre posição adotada pela mulher no, parto , integridade perineal e vitalidade do recém nascido. Rev. enferm. UERJ. 2008; 16(4):472-6.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento:pesquisa qualitativa em saúde. 11. ed. São Paulo: Hucitec; Rio de Janeiro: Abrasco, 2008.

Velho MB, Oliveira ME, Santos EKA. Reflexões sobre a assistência de enfermagem prestada à parturiente. Rev Bras Enferm. 2010; 63(4): 652-9 .

Mabuchi AS, Fustinoni SM. O significado dado pelo profissional de sa˙de para trabalho de parto e parto humanizado. Acta Paul Enferm 2008;21(3):420-6.

Longo CSM, Andraus LMS, Barbosa MA. Participação do acompanhante na humanização do parto e sua relação com a equipe de saúde. Revista Eletrônica de Enfermagem, 2010; Disponível em http://www.revistas.ufg.br/index.php/fen/article/view/5266/6945. Acesso em 20/08/2015.

Gomes ML. Enfermagem obstétrica: diretrizes assistenciais. Rio de Janeiro: Centro de Estudos da Faculdade de Enfermagem da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2010; Disponível em http://abenfo.redesindical.com.br/arqs/manuais/027.pdf. Acesso em 23/04/2015.

Sescato AC, Kissula SRRS, Loewen Wall M. Os cuidados não-farcológicos para alívio da dor no trabalho de parto: orientações da equipe de enfermagem. Cogitare Enferm. 2008; 13(4):585-90

Oliveira ASS, Rodrigues DP, Guedes MVC, Felipe GF. Percepção de mulheres sobre a vivencia do trabalho de parto e parto. Rev. René. 2010; 11(esp): p. 32-41.

Machado NXS, Praça NS. Centro de parto normal e assistência obstétrica centrada nas necessidades da parturiente.Sãopaulo, 2004. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v40n2/16.pdf. Acesso em 18/07/2015.

Moura FMJSP, Crizostomo CD, Nery IS. A humanização e a assistência de enfermagem ao parto normal. Rev Bras Enferm, Brasília. 2007 jul-ago; 60(4):452-5.

Albuquerque LC, Pereira EE, Rios CTF et al. Conhecimento de mulheres sobre o motivo para a realização do parto cesáreo. Revista do Hospital Universitário/UFMA.2007; 8(2): 9-16.

Diniz S, Chachan AS. O “corte por cima” e o “corte por baixo”: o abuso de cesáreas e episiotomias em São Paulo. Questões de Saúde Reprodutiva. Questões de Saúde Reprodutiva.2006;I(1):80-91.

Carraro TE, Knobel R, Radunz V et al. Cuidado e conforto durante o trabalho de parto e parto: na busca pela opinião das mulheres. Texto Contexto Enferm, Florianópolis, 2006; 15 (Esp): 97-104.

Brüggemann OM, Parpinelli DM, Osis MJD. Apoio à parturiente por acompanhante de sua escolha em maternidade brasileira: ensaio clínico controlado randomizado. Rev Tempus Actas Saúde Col.2010;4(4):155-159.

Silva RC ,Soares MC, Muniz RM et al. A Concepção dos profissionais de saúde sobre o parto humanizado na adolescência. Enfermería Global. 2011; 24:342-351.

Monte NL, Gomes JS, Amorin MA. A percepção das puérperas quanto ao parto humanizado em uma maternidade pública de Teresina-PI. Revista Interdisciplinar NOVAFAPI. 2011;4(3): 20-24.

Downloads

Publicado

2016-11-21

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS