Decifrando redes de proteção em um território: relato de experiência no programa Pro-Saúde.

Autores

  • Leides Barroso Azevedo Moura Universidade de Brasília.
  • Isabella Talles Kahn Stephan
  • Natacha Oliveira Hoepfner
  • Juliana Gomes Ibiapina Calado

DOI:

https://doi.org/10.18569/tempus.v9i1.1697

Resumo

Trata-se de um relato de experiência pertinente à identificação das redes de proteção de um território, como parte das atividades do Programa de Reorientaçãoda Formação Profissional em Saúde (Pró-Saúde), com desenvolvimento de atividades interdisciplinares relacionadas ao processo ensino-aprendizagem, pesquisa, extensão e integração com um Núcleo de Atenção à Saúde de Pessoas em Situação de Violências no Distrito Federal.. O projeto visava favorecer a produção e promoção de saúde e de ações de prevenção de violências, bem como, auxiliar o fluxo de informação entre os serviços de saúde, educação, cultura, segurança e desenvolvimento do território de abrangência da Região do Paranoá e Itapoã, situado na Área Metropolitana de Brasília, Distrito Federal.Após reuniões e visitas de identificação dos serviços e recursos das organizações governamentais e não governamentais e às estruturas de oportunidades de duas comunidades, o projeto produziu uma cartografia dosrecursos disponíveis no e para o território à partir da sistematização e disponibilização de informações para profissionais de saúde, educação e segurança pública, bem como ativistas sociais e ativadores de mudanças. Concluiu-se que a pesquisa possibilitou oferecer ao públicoferramenta de busca,mobilização de direitos da cidadania e promoção de saúde na multidimensionalidade da vida humana. O mapeamento reforçou os princípios de integralidade, intersetorialidade e regionalização da saúde e favoreceu a articulação com políticas públicas para além do setor saúde.

Biografia do Autor

Leides Barroso Azevedo Moura, Universidade de Brasília.

Graduação em Enfermagem pela Universidade Federal de Mato Grosso (1988), licença registrada (RN) pelo New York Board of Education-USA. Pós-Doutora pela University College London (2014). Doutorado em Ciências da Saúde pela Universidade de Brasília (2009). Mestrado em Ciências da Enfermagem pela Western Connecticut State University nos Estados Unidos (2001). Especialização em educação continuada e educação a distância pela Universidade de Brasilia (2009), Especialização em Didática do Ensino Superior pela Universidade Católica Dom Bosco (1995). Especialização em Saúde Pública pela Universidade de Ribeirão Preto (1989). Atuação nas seguintes áreas: Saúde, Território e Determinantes Sociais, Empoderamento em Saúde, Politicas Públicas, Violências no curso da vida, Violência e Saúde, Educação Superior e internacionalização.

Referências

A reorientação do ensino e da prática em enfermagem: implantação do Pró-Saúde em Mossoró, Brasil.Revista Gaúcha de Enfermagem (Online) 2010. 31(3):442-449,. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1983-14472010000300006&lang=pt>.Acesso em: 20 Mai. 2015

Brasil. Ministério da Saúde (MS). Secretaria de Vigilância em Saúde. Política Nacional de Promoção da Saúde. Brasília: MS;

De Marco, M A. Do modelo biomédico ao modelo biopsicossocial: um projeto de educação permanente. RevBrasEducMed2006, 30(1): 60-72,.

World Health Organization. Review of social determinants and the health divide in the WHO European Region: final report. Copenhagen: WHO European Region, 2013.

Santos, M. O lugar e o cotidiano. In: Sousa Santos B.; Meneses M.P. (Orgs.). Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, 2010. p.584-602

Schumann,LA, Moura LBA. Índices sintéticos de vulnerabilidade: uma revisão integrativa de literatura. Ciênc saúde coletiva 2015, 20(7): 2105-2120.

Chiavegatto F A D P, Wang YP, Malik A M, Takaoka J, Viana M C, Andrade L H. Determinantes do uso de serviços de saúde: análise multinível da Região Metropolitana de São Paulo. Rev. Saúde Pública ]. 2015; 49: 1-12. Disponível em:http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102015000100301&lng=pt. Epub 27-Fev2015. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-8910.2015049005246.

Ferrp, L F et al. Interdisciplinaridade e intersetorialidade na estratégia de saúde da família e no núcleo de apoio à saúde da família: Potencialidades e desafios. Tempus Actas de Saúde Coletiva, 2015 8 (4): 111-129Disponível em: <http://tempusactas.unb.br/index.php/tempus/article/view/1587/1354>. Acesso em: 24 Mai. 2015.

Miechuanski. PC; Kleba. M E.Acadêmicos da Unochapecó na interação com sistema único de saúde e ESF através do Projeto Pró-Saúde. Revista Brasileira de Educação Médica 2012. 36 (1): 131-135

BRASIL. Ministério da Saúde. Ministério da Educação. Programa Nacional de Reorientação da Formação Profissional em Saúde. Pro-Saúde: objetivos, implementação e desenvolvimento potencial. Brasília: Ministério da Saúde, 2007.

BRASIL. Rede de enfrentamento à Violência contra as mulheres. Secretaria Nacional de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres. Secretaria de Políticas para as Mulheres – Presidência da República. Brasília, 2011.

Silva. SF. Organização de redes regionalizadas e integradas de atenção à saúde:desafios do Sistema Único de Saúde (Brasil). Ciência & Saúde Coletiva,2011; 16( 6 ): 2753-2762.

Mendes. EV. As redes de atenção à saúde. Ciência & Saúde Coletiva2010; 15 (5): 2297-2305. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232010000500005>.

Moura LBA, Lefevre F, Moura V. Narrativas de violências praticadas por parceiros íntimos contra mulheres. Cien Saude Colet2012; 17 (4): 1025-1035.

Moura L B A, Gandolfi L, Vasconcelos A M N, Pratesi R. Intimate partner violence against women in an economically vulnerable urban area, Central-West Brazil. Rev. SaúdePública 2009; 43(6): 944-953

Downloads

Publicado

2015-08-29