O PET-Saúde no contexto do Núcleo de Apoio à Saúde da Família: contribuições para a reorientação das práticas de saúde.

Autores

  • Vladimir Andrei Rodrigues Arce Universidade Federal da Bahia, Instituto de Ciências da Saúde, Departamento de Fonoaudiologia.
  • Elaine Cristina de Oliveira Universidade Federal da Bahia, Instituto de Ciências da Saúde

DOI:

https://doi.org/10.18569/tempus.v9i1.1692

Resumo

Este artigo tem como objetivo apresentar e discutir as repercussões do PET-Saúde nas práticas de saúde dos profissionais que atuam em um Núcleo de Apoio à Saúde da Família da cidade de Salvador e que participaram como preceptores do projeto. A experiência construída pela Universidade Federal da Bahia foi estruturada a partir de oficinas de qualificação do grupo, encontros de planejamento e execução de ações de educação em saúde. O projeto, que estabeleceu como eixo central o enfrentamento da violência no âmbito escolar por meio de ações educativas orientadas pela Promoção da Saúde, permitiu a inserção de novas práticas na realidade do trabalho dos profissionais, como a análise da situação de saúde e a adoção de uma perspectiva dialógica e participativa de educação em saúde. Tais práticas potencializam a construção de uma identidade transformadora para o NASF e são fundamentais para o fortalecimento da Estratégia Saúde da Família e consequente consolidação de um modelo de atenção integral à saúde, orientado, sobretudo, pela perspectiva da Promoção da Saúde.

Biografia do Autor

Vladimir Andrei Rodrigues Arce, Universidade Federal da Bahia, Instituto de Ciências da Saúde, Departamento de Fonoaudiologia.

Doutorando em Saúde Coletiva (Instituto de Saúde Coletiva/UFBA), Mestre em Ciências da Saúde (Faculdade de Ciências da Saúde/UnB). Bacharel em Fonoaudiologia (UFMG). Professor de Saúde Coletiva do Departamento de Fonoaudiologia da UFBA e tutor do PRO/PET-Saúde III

Elaine Cristina de Oliveira, Universidade Federal da Bahia, Instituto de Ciências da Saúde

Doutora em Linguística (UNICAMP); Mestre em Estudos Linguísticos (UNESP); Bacharel em Fonoaudiologia (UNESP). Professora de Linguagem do Departamento de Fonoaudiologia da UFBA e co-tutora do PRO/PET-Saúde III.

Referências

Ministério da Saúde (BR). Portaria interministerial nº 421, de 3 de março de 2010. Institui

o Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde (PET-Saúde) e dá outras providências

[internet]. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 5 mar. 2010. Disponível em: http://bvsms.saude.

gov.br/bvs/saudelegis/gm/2010/pri0421_03_03_2010.html. Acessado em: 17/10/2014.

Freitas PH, Colomé JS, Carpes AD, Backes DS, Beck CLC. Repercussões do pet-saúde na

formação de estudantes da área da saúde. Esc. Anna Nery. 2013; 17(3): p. 496-504.

Caldas JB, Lopes ACS, Mendonça RD, Figueiredo A, Lonts JGA, Ferreira EF, et al. A

percepção de alunos quanto ao programa de educação pelo trabalho para a saúde - PETSaúde.

Rev. bras. educ. med. 2012; 36(1): p. 33-4.

Starfield B. Atenção Primária, equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia.

a ed. Brasília: Unesco, Ministério da Saúde; 2004.

Aquino R, Medina MG, Nunes CA, Sousa MF. Estratégia Saúde da Família e

reordenamento do sistema de serviços de saúde. In: Paim JS, Almeida-Filho N. Saúde Coletiva:

Teoria e Prática. Rio de Janeiro: Med Book; 2014. p. 353-72.

Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 2.488, de 21 de outubro de 2011. Aprova a Política

Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização

da Atenção Básica, para a Estratégia Saúde da Família e o Programa de Agentes Comunitários de

Saúde [internet]. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 21 out. 2011. Disponível em: http://bvsms.

saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt2488_21_10_2011.html. Acessado em: 20/07/2014.

Araújo EMD, Galimbertti PA. A colaboração interprofissional na estratégia saúde da família.

Psicol. Soc. 2013; 25(2): p.461-68.

Costa LS, Alcântara LM, Alves RS, Lopes AMC, Silva AO, Sá LD, et al. A prática do

fonoaudiólogo nos Núcleos de Apoio à Saúde da Família em municípios paraibanos. CoDAS.

; 25(4): p. 381-7.

Leite DC, Andrade AB, Bosi MLM. A inserção da Psicologia nos Núcleos de Apoio à

Saúde da Família. Physis. 2013; 23(4): p. 1167-87.

Barbosa EG, Ferreira DLS, Furbino SAR. Experiência da fisioterapia no Núcleo de Apoio

à Saúde da Família em Governador Valadares, MG. Fisioter. mov. 2010; 23(2): p. 323-30.

Teixeira CF, Vilasbôas ALQ. Modelos de Atenção à Saúde no SUS: transformação,

mudança ou conservação? In: Paim JS, Ameida-Filho, N. Saúde Coletiva: Teoria e Prática. Rio

de Janeiro: Medbook; 2014. p. 287-301.

Salvador. Secretaria Municipal de Saúde. Plano Municipal de Saúde 2014-2017.

Disponível em: http://www.saude.salvador.ba.gov.br/arquivos/astec/pms_2014_2017_versao_

preliminar.pdf. Acesso em Abr. 2015.

Giovanella L. Atenção Primária à Saúde seletiva ou abrangente? Cad. Saúde Pública.

; 24(1): p. 21-3.

Buss PM. Promoção da saúde e qualidade de vida. Ciência & saúde coletiva. 2000; 5(1): p.

-77.

Alves VS. Um modelo de educação em saúde para o Programa Saúde da Família: pela

integralidade da atenção e reorientação do modelo assistencial. Interface. 2005; 9(16): p. 39-52.

Acurcio FA, Santos MA, Ferreira SM. A aplicação da técnica da estimativa rápida no

processo de planejamento local. In: Mendes EV, organizador. A organização da saúde no nível

local. São Paulo: Hucitec; 1998. p. 87–110.

Paim JS. Planejamento de saúde para não especialistas. In: Campos GWS, Minayo MCS,

Akerman M, Drumond MJ, Carvalho YM, organizadores. Tratado de Saúde Coletiva. São Paulo,

Rio de Janeiro: Hucitec/Abrasco; 2006. p.767-82.

Gomes LC. O desafio da intersetorialidade: a experiência do Programa Saúde na Escola

(PSE) em Manguinhos, no Município do Rio de Janeiro [dissertação]. Rio de Janeiro: Escola

Nacional e Saúde Pública Sergio Arouca, 2012.

Ferreira I, Moysés SJ, França BHS, Carvalho ML, Moysés ST. Percepções de gestores

locais sobre a intersetorialidade no Programa Saúde na Escola. Revista Brasileira de Educação.

; 19(56), 61-76.

Minayo MCS. Violência, um problema para a saúde dos brasileiros: introdução. In: Souza

ER, Minayo MCS, organizadores. Impacto da Violência na saúde dos brasileiros. Brasília:

Ministério da Saúde; 2005. p. 9-33.

Krug EG, Dahlberg LL, Mercy JA, Zwi AB, Lozano R, editores. Relatório mundial sobre

violência e saúde. Genebra: Organização Mundial da Saúde; 2002.

Melo EM, Faria HP, Melo MAM, Chaves AB, Machado P. Projeto Meninos do Rio.

Mundo da vida, adolescência e riscos de saúde. Cad. Saúde Pública. 2005; 21(1), p. 39-48.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria GM n. 2446 de 11 de novembro de 2014. atualizar

a Política Nacional de Promoção da Saúde e incrementar as ações de promoção da saúde no

território, bem como garantir sua consonância com os princípios e diretrizes do SUS. Brasil,

Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2014/prt2446_11_11_2014.

html. Acesso em Abr. 2015.

Downloads

Publicado

2015-08-29