Modelo de Avaliação para Formação em Saúde baseada em Jogos e Ambientes Virtuais

Autores

  • Thaíse Kelly de Lima Costa Universidade Federal da Paraíba
  • Liliane S Machado Universidade Federal da Paraíba
  • Ana Maria Gondim Valença Universidade Federal da Paraíba
  • Ronei M. Moraes Universidade Federal da Paraíba

DOI:

https://doi.org/10.18569/tempus.v10i2.1663

Palavras-chave:

Avaliação Educacional, Técnicas de Apoio para a Decisão, Tecnologia Educacional.

Resumo

Os jogos e ambientes virtuais tem sido utilizados como recursos de apoio à formação em saúde. A partir do uso de portais é possível reunir esses recursos de modo a facilitar a sua utilização. O presente trabalho revela que portais de jogos ou ambientes virtuais para a área de saúde podem incorporar processos avaliativos, baseados em modelos de decisão de máquina, que permitam avaliar conjuntamente atividades de apoio à formação de recursos humanos. Compreendendo que o planejamento dessas atividades deve ser balizado por objetivos educacionais, o presente trabalho considera esses objetivos no processo de avaliação em saúde, apresentando um modelo de decisão de máquina baseado na Taxonomia dos Objetivos Educacionais. O modelo permite analisar o desempenho de estudantes nos jogos e ambientes virtuais voltados para processos de formação, considerando os domínios cognitivo, afetivo e psicomotor.

Biografia do Autor

Thaíse Kelly de Lima Costa, Universidade Federal da Paraíba

Departamento de Ciências Exatas, CCAE, Universidade Federal da Paraíba.

Referências

Nunes F, Machado LS, Moraes RM. Evolução da Realidade Virtual e Aumentada em Saúde: Uma Reflexão a partir de 15 Anos de SVR. Symposium on Virtual and Augmented Reality; 2014. p. 220-229.

Taekman JM, Shelley K. Virtual environments in healthcare: immersion, disruption, and flow. International Anesthesiology Clinics. 2010; 48(3):101-21.

Funge JD. Artificial Intelligence for Computer Games. Wellesley: A.K.Peters. 2004.

Machado LS, Moraes RM, Nunes FLS, Costa RME. Serious Games Baseados em Realidade Virtual para Educação Médica. Rev. Brasileira de Educação Médica (Imp.). 2011; 35:254-262.

Nogueira DN, Chaimowicz L, Prates RO. Pingo-An Online Portal for Educational Games with Customizable Content. Proceedings do XII Simpósio Brasileiro de Jogos e Entretenimento Digital. São Paulo.2013. p.80-89.

Levashenko V, Zaitseva E, Kvassay M, Kostolny J.Educational portal with Data Mining support for pupils of primary schools. Digital Technologies (DT). International Conference on. 2013. p.33-38.

Čišić D, Čičin-Šain M, Ogrizovič D. mGBL-FLOSS m-learning platform. MIPRO, 2010. Proceedings of the 33rd International Convention, 2010. p.1099-1102.

Bamidis PD, Konstantinidis EI, Billis A, Frantzidis C, Tsolaki M, Hlauschek W, et al. A Web services-based exergaming platform for senior citizens: The long lasting memories project approach to e-health care. Engineering in Medicine and Biology Society, Annual International Conference of the IEEE.2011. p.2505-2509.

Wagner G. Simurena—A web portal for open educational simulation. Simulation Conference (WSC), Proceedings of the 2012 Winter. 2012. p.1-12.

Barclay AR, Bauman EB, Mihai A, Huggins E, Schaefer ER, Seider S, et al. Games & Simulation for Healthcare [Internet]. University of Wisconsin-Madison. 2013 [Citado em 2015 Março]. Disponível em: http://healthcaregames.wisc.edu/index.php.

Anderson LW, Krathwohl DR, Airasian PW, Cruikshank KA, Mayer RE, Pintrich PR, et al. (Eds..) A Taxonomy for Learning, Teaching, and Assessing: A Revision of Bloom’s Taxonomy of Educational Objectives. Allyn & Bacon. Boston, MA (Pearson Education Group). 2001.

Bastable SB, Gramet P, Jacobs K, Sopczyk DL. Health professional as educator: Principles of teaching and learning. Sudbury, MA:Jones& Bartlett. 2011.

Ferraz APCM, Belhot RV. Taxonomia de Bloom: revisão teórica e apresentação das adequações do instrumento para definição de objetivos instrucionais. Gest. Prod., São Carlos. 2010. 17(2):421-431.

Bloom BS, Engelhart MD, Furst EJ, Hill WH, Krathwohl DR. Taxionomia de Objetivos Educacionais: Domínio Cognitivo. Tradução Sant'Anna, F.M. 8. ed. Porto Alegre: Editora Globo. 1983.

Bloom BS, Krathwohl DR, Masia BB. Taxionomia dos Objetivos Educacionais: Domínio Afetivo.Tradução Cunha, J.A. 1. ed. 4ª impressão. Porto Alegre: Editora Globo. 1976.

Dave, R. Psychomotor Levels. In R. J. Armstrong (Ed.). Developing and Writing Behavioral Objectives. Tucson, AZ: Educational Innovators Press. 1970.

Reilly DE, Oermann M. Behavioral Objectives: Evaluation in Nursing. 3rd. ed. New York, NY: National League for Nursing.1990.

Conklin, J. A taxonomy for learning, teaching and assessing: a revision of Blooms’s taxonomy of educational objectives. Educational Horizons, v. 83, n. 3, p. 153-159, 2005.

Krathwohl DR. A Revision of Bloom's Taxonomy: An Overview. Theory into Practice. 2002; 41(4):212-218.

Ligeza A. Logical Foundations for Rule-based Systems. 2nd edn. Springer, Heidelberg. 2006.

Millington I, Funge J. Artificial Intelligence For Games. Morgan Kaufmann. Elsevier. 2009.

Machado LS, Zuffo MK. Development and Evaluation of a Simulator of Invasive Procedures in Pediatric Bone Marrow Transplant. Studies in Health Technology and Informatics, Amsterdam. 2003, 94:193-195.

Almeida LR, Silva ATMC, Machado LS. Caixa de Pandora: Desenvolvendo afetividade e cognição em um serious game para o enfrentamento da violência contra a mulher. In: Simpósio Brasileiro de Jogos e Entretenimento Digital - Trilha Cultura, 2013, São Paulo. Anais do XII Simpósio Brasileiro de Jogos e Entretenimento Digital, 2013. p. 23-30.

Publicado

2016-07-07