O papel dos gestores e dos agentes de vigilância ambiental no controle da dengue

Autores

  • Marcello vieira Lasneaux UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

DOI:

https://doi.org/10.18569/tempus.v10i3.1613

Palavras-chave:

dengue, Aedes, inseticidas, políticas públicas, gestores.

Resumo

O documento “Diretrizes Nacionais para a Prevenção e Controle de Epidemias de Dengue” (DNPCED), publicado em 2009, pelo Ministério da Saúde, é o documento em vigor que trata do controle da dengue no Brasil. O DNPCED dispõe sobre as atribuições do Agente de Vigilância Ambiental (AVA) e seus gestores. A partir de questionários aplicados ao servidores, observou-se que alguns aspectos básicos e fundamentais para diminuir a população dos mosquitos, de forma simples e sem passivos químicos ambientais são realizados, como a remoção de criadouros e visitas aos domicílios. Entretanto, percebe-se que o que está preconizado no DNPCED está distante do que está sendo feito, como por exemplo, no que diz respeito à pesquisa larvária, comunicação setorial e intersetorial.

Biografia do Autor

Marcello vieira Lasneaux, UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

programa de pós-graduação em Bioética da Universidade de Brasília

Referências

Brasil. Ministério da Saúde. Diretrizes Nacionais para a Prevenção e Controle de Epidemias de Dengue. Brasília: Ministério da Saúde/Secretaria de Vigilância em Saúde; 2009.

Tauil PL. Aspectos críticos do controle do dengue no Brasil. Cad. Saúde Pública. 2002;18(3):867–71.

Luz PM, Vanni T, Medlock J, Paltiel AD, Galvani AP, Dengue vector strategies in a urban setting: an economic modelling assesstment. Lancet. 2011; 377:1673-80.

Lasneaux, MV. O uso de inseticidas na Saúde Pública: uma crítica ao modelo de combate à dengue no Brasil e no DF. Brasília-DF. Dissertação [Mestrado em Bioética] - Universidade de Brasília; 2014.

Publicado

2016-11-21

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS