Prevalência de doenças crônicas não transmissíveis em idosos assistidos por equipe estratégia saúde da família no sul do Brasil.
PDF

Como Citar

Grillo, L. P., Caleffi, F., Mariath, A. B., & Mezadri, T. (2015). Prevalência de doenças crônicas não transmissíveis em idosos assistidos por equipe estratégia saúde da família no sul do Brasil. Tempus – Actas De Saúde Coletiva, 8(4), Pág. 131-141. https://doi.org/10.18569/tempus.v8i4.1589

Resumo

Objetivo: Avaliar a prevalência de doenças crônicas não transmissíveis em idosos assistidos por equipe de Saúde da Família (ESF), no sul do Brasil. Métodos: estudo transversal, exploratório e natureza quantitativa. A prevalência das enfermidades crônicas foi mensurada a partir dos níveis de glicose, triglicerídeos, colesterol e pressão arterial. Utilizou-se o índice de massa corporal para o diagnóstico nutricional. Para a análise das variáveis utilizou-se estatística descritiva e analítica. Resultados: Os idosos eram na maioria do sexo feminino (62%), a média de idade foi de 71,1 anos e 45% eram hipertensos. Com relação aos exames bioquímicos, 25%, 38% e 27% apresentavam valores elevados de colesterol, triglicerídeos e glicose, respectivamente. O excesso de peso predominou no sexo feminino (57%) e a eutrofia no masculino (44%). Conclusão: prevalências significantes de doenças crônicas não transmissíveis, destacando-se a hipertensão arterial, sendo que a prevalência de diabetes foi superior à encontrada na população geriátrica brasileira.
https://doi.org/10.18569/tempus.v8i4.1589
PDF