Do Brasil ao Québec, alguns elementos para reflexão: Os Agentes Comunitários de Saúde conectam famílias e os profissionais de saúde.

Autores

  • Lise Renaud Renaud Coordenação Editorial - Editora Executiva - Editora Associada Tecnologia da Informação, Educação e Comunicação em Saúde - Universidade de Brasília - Núcleo de Estudos de Saúde Publica
  • Margareth Santos Zanchetta Professor Assistente da Queen's University.
  • Jacques Rhéaume Rhéaume
  • Roger Côté Côté

DOI:

https://doi.org/10.18569/tempus.v8i3.1559

Resumo

O sistema único de saúde brasileiro comporta 27.000 equipes de saúde da família com uma rede de cerca de 300.000 Agentes Comunitários de Saúde cuja responsabilidade é a de conectar as famílias que são visitadas mensalmente com os profissionais de saúde da unidade de saúde da família. Desde 2003, o Québec realiza uma reforma no setor da saúde e serviços sociais com ênfase na integração de cuidados e serviços (públicos, associativos e privados) e sua inscrição nas redes locais segundo uma perspectiva de responsabilidade populacional. Os comentários apresentados tentam destacar alguns elementos de semelhança ou diferença entre o programa das Unidades de saúde da família implantado no Brasil e aquele das Clínicas da rede integrada ou dos Grupos de medicina de família do Québec. Nos dois casos, existe a preocupação de oferecer serviços de maior aproximação com a população de um dado território, de uma maior acessibilidade e adequação de serviços. Além disto, o Brasil através dos Agentes Comunitários de Saúde, permite uma linha social que assegura o acompanhamento real de todos os membros da família pelos serviços de saúde.

Biografia do Autor

Lise Renaud Renaud, Coordenação Editorial - Editora Executiva - Editora Associada Tecnologia da Informação, Educação e Comunicação em Saúde - Universidade de Brasília - Núcleo de Estudos de Saúde Publica

Possui mestrado em Sociologia pela Université du Québec à Montréal (1982) e doutorado em éducation à la santé pela Université de Montreal (1987).

Margareth Santos Zanchetta, Professor Assistente da Queen's University.

possui graduação em Enfermagem e Obstetricia pela Universidade Gama Filho (1980) , especialização em Metodologia do Ensino Superior pela Universidade Estácio de Sá (1982) , especialização em Administracao e Gerencia Hospitalar pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (1982) , especialização em Residencia Em Enfermagem pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (1982) , especialização em Enfermagem do Trabalho pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1986) , especialização em Metodologia do Ensino e da Assistencia Enfermagem pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1987) , mestrado em Enfermagem pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1990) , doutorado em Enfermagem pela Université de Montreal (2002) , aperfeicoamento em Licenciatura Plena pela Universidade Gama Filho (1980) e aperfeicoamento em Habililtacao Em Enfermagem Medico Cirurgica pela Universidade Gama Filho (1980) .

Jacques Rhéaume Rhéaume

possui doutorado em sociologia pela Université de Montreal (1987).

Referências

Aquino R, Medina MG, Villasbôas AL, Baqueiro CCD, Nunes CA, Caputo MC, et al. Treinamento introdutório das equipes de saúde da família (Manual Técnico). 2001.

Ministério da Saúde, Secretaria de Assistência à Saúde, Coordenação de Saúde da Comunidade. Saúde da Família: uma estratégia para a reorganização do modelo assistencial (2ª ed.). Brasília, Ministério da Saúde, 1998.

Ministério da Saúde. Manual para Organização da Atenção Básica. Brasília, Ministério da

Saúde, 1999.

Ministério da Saúde. Saúde da Família no Brasil: linhas estratégicas para o quadriênio 1999/2002 (resumo executivo). Brasília, Ministério da Saúde, 1999.

Ministério da Saúde, Secretaria de Assistência à Saúde, Coordenação de Saúde da Comunidade. Avaliação da implantação e funcionamento do Programa de Saúde da Família. Brasília, Ministério da Saúde, 2000.

Conselho Nacional de Secretários de Saúde (CONASS). Legislação do SUS. Brasília, 2003.

Hartz ZMA, Contandriopoulos AP. Integralidade da atenção e integração de serviços de saúde; desafios para avaliar a implantação de um « sistema sem muros » (mimeo). 2004.

Medina MG, Nascimento EL, Lima MS, Impallari C, Rodrigues RM, Aquino R. Sistema de Informação da Atenção Básica: Indicadores 1999 (Caderno Técnico). Brasília, Ministério da Saúde, 2000.

Medina MG, Pereira RAG, Hartz ZMA, Silva LMZ. O Programa de Saúde da Família: evolução de sua implantação no Brasil. A produção sobre saúde da família, Trabalhos apresentados no VII, Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva (ABRASCO), Ministério da Saúde, 2003.

Organisation mondiale de la santé (OMS). Les soins de santé primaires – maintenant plus que jamais. Organisation mondiale de la santé, hors série, 2008. Internet : http://www.who.int/whr/2008/summary/fr/index.html (consultado em 24 février 2010).

Ministère de la Santé et des Services sociaux (MSSS). Projet clinique : Cadre de référence pour les réseaux locaux de services de santé et de services sociaux : Document principal. Québec, Ministère de la Santé et des Services sociaux, 2004.

Contandriopoulos AP. Les enjeux éthiques associés à la transformation des systèmes de soins. Éthique publique 2003;5(1):42-57.

Paim JS. Saúde da família: espaço de reflexão e de práticas contra-hegemônicas? Em: Paim

JS (éd.), Saúde: Política e reforma sanitária. Salvador, Instituto de Saúde Coletiva, 2002.

Ministère de la Santé et des Services sociaux. Les services integrés en périnatalité et pour la petite enfance à l’intention des familles vivant en contexte de vulnérabilité : Cadre de référence.

Québec, 2004.

Lancman S, Uchida S, Sznelwar LI, Jardim TA. Agente comunitário de saúde: um trabalhador na berlinda. Estudo em psicodinâmica do trabalho. Travailler: revue internationale de psychopathologie et psychodynamique du travail 2007;17:71-124.

Côté R, Renaud L, Rhéaume J, Zanchetta M. Retour de mission: visite au Brésil pour disséminer de l’information sur les déterminants sociaux de la santé et les vulnérabilités sociales. Cahiers METISS 2010; 5(1): 47-60.

Rioux Soucy LM. Quand « la santé pour tous » devient réalité. Le Devoir 6 février 2010;

Sect. Santé. Artigo

Downloads

Publicado

2014-12-24

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS