“Bacharelado em Saúde Coletiva: Preenchendo Lacunas e Formando Competências para o SUS”
PDF

Palavras-chave

Recursos Humanos em Saúde
Sistema Único de Saúde
Profissional da Saúde
Educação em Saúde
Identidade profissional.

Como Citar

Santana, P. R. S., Martins, R. D. M., Guarda, F. R. B., Cruz, S. L. C., & Santana, S. C. S. (2013). “Bacharelado em Saúde Coletiva: Preenchendo Lacunas e Formando Competências para o SUS”. Tempus – Actas De Saúde Coletiva, 7(3), Pág. 43-55. https://doi.org/10.18569/tempus.v7i3.1392

Resumo

O objetivo deste artigo é discutir questões relativas à identidade profissional, mercado de trabalho, campo de estágio e regulamentação da profissão de sanitarista com base na experiência da implantação do curso de Bacharelado em Saúde Coletiva na Universidade Federal de Pernambuco. As informações descrevem o perfil dos ingressantes da primeira turma de graduação no estado e a análise que emerge das falas no discurso do sujeito coletivo aponta que estes identificam o sanitarista como um profissional crítico e protagonista de importantes mudanças na saúde do Brasil, demonstram conhecimento e otimismo em relação ao mercado de trabalho e os campos de estágio, manifestando maior interesse pela atuação no setor público, sem deixar de apontar outras possibilidades de intervenção para os futuros egressos. No que se refere à regulamentação da profissão, cabe ressaltar seu papel de regulação econômica e social e a importância do Código de Ética dos Sanitaristas, que deverão buscar continuamente ampliar e garantir o direito a ações e serviços de saúde de qualidade para a população. Concluímos que o Bacharelado em Saúde Coletiva é por natureza um curso voltado para rever práticas, construir novos cenários e acima de tudo, contribuir para a construção de um SUS humano, solidário e fraterno.
https://doi.org/10.18569/tempus.v7i3.1392
PDF

Referências

IBGE. Dados Básicos de Pernambuco – Município de Vitória de Santo Antão. [Portal]. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/cidadesat/painel/painel.php?codmun=261640>. Acesso em: 02 de Julho de 2013.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. DATASUS. Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde. Disponível em: <http://cnes.datasus.gov.br/Mod_Ind_Especialidades.asp?VEstado=26>. Acesso em: 02 jul. 2013.

BRASIL. Vitória de Santo Antão (PE). Centro Acadêmico de Vitória. 2. Relatório Institucional 2006. Disponível em: <http://www.ufpe.br/cav/images/Docs_Publicacoes/Arquivos_Gerais/

relatorio_cav_2006.pdf>. Acesso em: 02 jul.2013.

Projeto Político Pedagógico do Curso de Graduação. (Bacharelado em Saúde Coletiva). Vitória de Santo Antão: Universidade Federal de Pernambuco; 2012.

Lefèvre F, Lefèvre AM, Teixeira JJ. O discurso do sujeito coletivo: uma nova abordagem metodológica em pesquisa qualitativa. Caxias do Sul: Ed. UCS; 2000.

Mocellim A. A questão da identidade em Giddens e Bauman. Revista Eletrônica dos Pós-Graduandos em Sociologia Política da UFSC. Santa Catarina: UFSC, 2008; p. 1-31.

Hall S. A Identidade Cultural na Pós- Modernidade. 6. ed. Rio de Janeiro: DP&A; 1998.

Medronho R. Importância dos cursos de saúde coletiva para o SUS. In: Anais da Conferência por ocasião da aula inaugural do curso de saúde coletiva. Vitória de Santo Antão, PE: UFPE-CAV, maio; 2013.

Machado MH, Oliveira E. Mercado de trabalho em saúde: em que trabalham e quem emprega estes trabalhadores? In: Machado MH. Organizador. Trabalhadores de saúde em números. Rio de Janeiro: FIOCRUZ; 2006; 02: 59-93.

IBGE. Pesquisa de Assistência Médico-Sanitária. Disponível em: <http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/deftohtm.exe?ams/cnv/uamsrbr.def>. Acesso em: 03 jun. de 2013.

Conselho Nacional dos Secretários de Saúde. Estruturação da área de Recursos Humanos nas Secretarias de Saúde dos Estados e do Distrito Federal. Brasília: CONASS; 2004 (CONASS. Documenta. n.1)

Machado MH, Oliveira E. Mercado de trabalho em saúde: em que trabalham e quem emprega estes trabalhadores? In: Machado, MH. Organizador. Trabalhadores de saúde em números. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2006; 02:59-93.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Departamento de Gestão e da Regulação do Trabalho em Saúde. Indicadores de gestão do trabalho em saúde: material de apoio para o Programa de Qualificação e Estruturação da Gestão do Trabalho e da Educação no SUS – ProgeSUS. Brasília: Ministério da Saúde; 2007. 290 p.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da

Educação na Saúde. Departamento de Gestão e da Regulação do Trabalho em Saúde. Agenda positiva do Departamento de Gestão e da Regulação do Trabalho em Saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2005.

Cordeiro H. Descentralização, universalidade e equidade nas reformas da

saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 2001; 6(2): 319-328..

Shimizu HE, Carvalho Junior DA de. O processo de trabalho na Estratégia Saúde da Família e suas repercussões no processo saúde-doença. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 17, n. 9, Set. 2012 . Disponível em: < http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232012000900021&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 04 abr. 2013.

Bourdieu P. A economia das trocas simbólicas. Tradução de Sergio Miceli et al. São Paulo: Perspectiva; 2003.

Lima MS. Reflexões sobre o estágio/prática de ensino na formação de

professores. Revista Diálogo Educional, Curitiba, jan./abr. 2008; 8(23):195-205.

Teixeira CF, (Abrasco), Nunes TC. Trabalho e Educação na saúde. In: Anais do 10. Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva. [S. l.]; 2009.

Campos FE, Albuquerque E. As especificidades contemporâneas do trabalho

no setor saúde: notas introdutórias para uma discussão. Revista Economia Contemporânea. Rio de Janeiro, 1999; 3(2):97-123.

Mioto RC. Processo de construção do espaço profissional do assistente social em contexto multiprofissional: um estudo sobre o serviço social na estratégia saúde da família. Projeto de Pesquisa: UFSC/CNPq. Florianópolis; 2004a.

Carvalho AI. Conselhos de Saúde, Responsabilidade Pública e Cidadania: a Reforma Sanitária como Reforma do Estado. In: Fleury, S. Organizador. Saúde e Democracia: a luta do CEBES. São Paulo: Lemos; 1997. p. 93-111.