Determinação Social da Tuberculose: análise da realidade objetiva do agravo em um serviço de epidemiologia hospitalar

Autores

  • Flaviane Marizete Limas Limas Universidade Federal do Paraná.
  • Liliana Muller Larocca Universidade Federal do Paraná.
  • Maria Marta Nolasco Chaves Universidade Federal do Paraná.
  • Adeli Regina P. de Medeiros Medeiros Universidade Federal do Paraná.
  • Gustavo Selenko de Aquino Universidade Federal do Paraná.
  • Ana Paula Cunha Coelho

DOI:

https://doi.org/10.18569/tempus.v7i2.1346

Resumo

Pesquisa descritiva documental que teve como objetivo reconhecer a determinação social da tuberculose pulmonar e pulmonar + extrapulmonar, não-HIV, em um Serviço de Epidemiologia Hospitalar de Curitiba/PR. Os dados foram coletados utilizados e um instrumento baseado no referencial TIPESC – Teoria da Intervenção Práxica de Enfermagem em Saúde Coletiva. Resultados: Na dimensão estrutural observou-se um sistema de referência e contra-referência em andamento. Na dimensão particular notou-se precariedade nas condições de trabalho, vários contatos intra-domiciliares entre crianças e baixa renda. Por fim na dimensão singular verificou-se que 32% traziam seu grau de escolaridade “ignorado” sendo que em 23% dos casos não haviam atingido a idade escolar. As principais comorbidades associadas foram tabagismo e alcoolismo, tendo como principais sintomas relatados tosse, perda de peso e febre. Considerações Finais: O estudo demonstrou a determinação das condições de vida no desenvolvimento do agravo, percebida na baixa escolarização e renda, precarização do trabalho e alta incidência em crianças.

Biografia do Autor

Flaviane Marizete Limas Limas, Universidade Federal do Paraná.

Possui graduação em Enfermagem pela Universidade Federal do Paraná.

Liliana Muller Larocca, Universidade Federal do Paraná.

Possui graduação em Enfermagem e Obstetrícia pela Universidade Federal do Paraná, mestrado em Enfermagem pela Universidade Federal de Santa Catarina e doutorado em Educação pela Universidade Federal do Paraná. Atualmente é professora associada da Universidade Federal do Paraná e membro do NESC (Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva). Tem experiência na área de Enfermagem, com ênfase nos seguintes temas: saúde coletiva e epidemiologia social/crítica.

Maria Marta Nolasco Chaves, Universidade Federal do Paraná.

Possui graduação em Enfermagem e Obstetrícia pela Universidade Federal Fluminense, especialização em Saúde Pública pela Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo, mestrado em Enfermagem pela Universidade Federal de Santa Catarina e Doutorado em Ciências pela Escola de Enfermagem USP-SP. É professora adjunta da Universidade Federal do Paraná, Departamento de Enfermagem - área de concentração Saúde Coletiva. Tem experiência na assistência de enfermagem na atenção básica à saúde e atualmente dedica-se à docência e a pesquisa na área de saúde coletiva. Líder do grupo de pesquisa Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva (NESC-pesq).

Gustavo Selenko de Aquino, Universidade Federal do Paraná.

Graduado em Enfermagem pela Universidade Federal do Paraná. Atualmente é Residente do Programa de Atenção Hospitalar de Saúde da Mulher do HC/UFPR. Desenvolveu projetos de pesquisa sobre os determinantes sociais de portadores de HIV e gestantes portadoras de Hepatite B e C no Estado do Paraná. Sua linha de pesquisa compreende: Políticas e Práticas: de Educação, Saúde e Enfermagem.

Ana Paula Cunha Coelho

Possui graduação em Enfermagem pela Universidade Federal do Paraná e especialização em Gestão Pública pela mesma instituição. Atualmente cursa o Mestrado Profissional em Enfermagem também pela UFPR e trabalha no Hospital de Clínicas da UFPR. Tem experiência na área de Enfermagem, com ênfase em Intensivismo, atuando principalmente nos seguintes temas: enfermagem e processo de trabalho. Membro do Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva (NESC) da UFPR.

Referências

Sanchez AIM, Bertolozzi MR. Operacionalização do conceito de vulnerabilidade à tuberculose em alunos universitários. Rev. Ciên. Saúde Colet. [periódico online]. 2011 Fev [capturado 2011 Jun]; 16(2):[7 telas] Disponível em: http:// www.scielo.br/pdf/csc/v16n2/v16n2a31.pdf

Brasil, Guia de Vigilância Epidemiológica do Portal do Ministério da Saúde. [capturado

Mai] Disponível em: http://portal.saude.gov.br

Laurell AC. A saúde-doença como processo social. “La salud-enfermedad como proceso social”. Rev. Lat Salud. [periódico online]. 1982 Jan [capturado 2011 Mai];

:[22 telas] Disponível em: http://xa.yimg.com/kq/groups/23089490/574657748/name/saudedoenca.pdf

Perna P, Nolasco MM. O Materialismo Histórico-Dialético e a Teoria da Intervenção

Práxica da Enfermagem em Saúde Coletiva: a demarcação do ‘coletivo’ para

a ação da enfermagem. Trabalho Necessário. [periódico online]. 2008 [capturad2011 Set]; 6(6) Disponível em: http://www.memorialapodi.com.br/biblioteca/epidemiologia/docs/Estudo%20,%20Materialismo%20Historico,dialetico%20e%20a%20Teoria%20da%20Intervencao%20Praxica%20da%20Enfermagem%20em%20Saude%20Coletiva%20,%20Paulo%20de%20Oliveira%0e%20Maria%20Nolasco.pdf

Egry E. Saúde Coletiva: construindo um novo método em enfermagem. São Paulo: Ícone; 1996.

Tobar F, Yalour MR. Como fazer teses em saúde pública. Conselhos e ideias para formular projetos e redigir teses e informes de pesquisas. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2001.

Antunes R. Dimensões da precarização estrutural do trabalho. São Paulo: Boitempo;

Rocha-Coutinho, ML, Teykal CM. O homem atual e a inserção da mulher no mercado de trabalho. Rev. Elet. Psic. PUC-RS.[periódico online]. 2007 Set [capturado 2011 Out]; 16(3):[7 telas] Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/revistapsico/article/view/2888

Abramo L. Perspectivas de Gênero e Raça nas Políticas Públicas. Mercado de Trabalho.[nota técnica online]. 2004 Nov [capturado 2011 Nov]: [6 telas] Disponível em: http://www.ipea.gov.br/pub/bcmt/mt_25e.pdf

Azeredo CM. Avaliação das condições de habitação e saneamento: a importância da visita domiciliar no contexto do Programa de Saúde da Família. Rev. Ciên. & Saúde Col [periódico online]. 2007 Mai-Jun[capturado 2011 Out]; 12(3):[11 telas] Disponível em: http://www.scielosp.org/pdf/csc/v12n3/25.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Manual de recomendações para o controle da Tuberculose

no Brasil. 2011 [capturado 2011 Out]:[288 telas] Disponível em: http://portal.saude. gov.br/portal/arquivos/pdf/manual_de_recomendacoes_tb.pdf

Downloads

Publicado

2013-09-25

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS