O Trabalho em Saúde e a Política de Humanização do Sistema Único de Saúde (SUS): o ponto de vista da atividade industriosa na análise do trabalho

Autores

  • Ana Rita Castro Trajano Universidade de Brasilia Núcleo de Estudos de Saúde Publica
  • Daisy Moreira Moreira Cunha

DOI:

https://doi.org/10.18569/tempus.v6i4.1207

Resumo

Objetivou-se discutir a perspectiva ergológica do trabalho em articulação com a Política Nacional de Humanização (PNH) como referencial de análise do processo de trabalho em saúde. Partiu-se de abordagens do processo de trabalho no campo da Saúde Coletiva, em que se toma a PNH como parte deste, procurandose estabelecer interlocuções com a ergologia como postura ético-epistemológica, tanto em práticas de pesquisa como em processos de gestão do trabalho. Em seguida, discutiu-se a emergência da PNH, como política pública do SUS, criada pelo Ministério da Saúde em 2003, quando foi discutido o sentido de humanização como ‘conceito-experiência’. Como parte essencial deste artigo, procurouse abordar noções e conceitos elaborados pela ergologia, no esforço de construir referenciais de análise da atividade industriosa em saúde, contribuindo para as discussões atuais sobre a PNH, como ‘política pública e a produção do comum’.

Biografia do Autor

Ana Rita Castro Trajano, Universidade de Brasilia Núcleo de Estudos de Saúde Publica

Professora adjunta do Departamento de Saúde Coletiva, da Universidade de Brasília (UnB). Possui doutorado em Ciência da Informação pela UnB, mestrado em Comunicação e Cultura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, especialização em Administração da Comunicação Empresarial e graduação em Jornalismo e Relações Públicas. Atualmente é coordenadora do Centro de Tecnologias Educacionais Interativas em Saúde, da Faculdade de Ciências da Saúde (CENTEIAS/FS) e pesquisadora colaboradora do Núcleo de Estudos em Saúde Pública da UnB (NESP/CEAM/UnB), onde coordena a Unidade de Tecnologias da Informação e Comunicação em Saúde. Líder do Grupo de Estudos e Pesquisas em Informação em Comunicação em Saúde Coletiva (CNPq-Brasil). Foi consultora em projetos de inclusão digital para o Ministério das Comunicações. Tem experiência nas áreas das Ciências da Informação e da Comunicação com ênfase em Comunicação da Informação, atuando principalmente nos seguintes temas: informação e comunicação em saude, tecnologias da informação e comunicação em saúde, inclusão digital, alfabetização em informação e em comunicação, redes sociais e ensino a distância.

Downloads

Publicado

2012-12-31

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS