Cartografias do Trabalho e Cuidado em Saúde.

Autores

  • Túlio Batista FRANCO
  • Emerson Elias MERHY

DOI:

https://doi.org/10.18569/tempus.v6i2.1120

Resumo

Este artigo procura discutir o processo e tecnologias de trabalho na saúde, tendo como pressuposto o seu caráter imaterial, e a centralidade do trabalho vivo nos atos produtivos, associado ao modelo tecnológico, que supõe o uso das tecnologias duras, leveduras e leves. Adota a ideia segundo a qual há uma dimensão subjetiva nos atos produtivos do cuidado, potencializada pela constatação de que o trabalho em saúde se dá sempre em um encontro, mediado por certa ética do cuidado. Sendo assim o elemento humano é central, garante o caráter produtor do cuidado, isto é, o modelo assistencial não se configura por uma determinação, um fora que se institui, mas por atos de produção imanentes ao próprio processo, gerados pelos trabalhadores em relação. A mudança no trabalho resulta em um processo de reestruturação produtiva, que por sua vez pode levar ou não a uma ruptura com o modelo atual. O que configura a mudança no modelo produtivo do cuidado é uma inversão no núcleo tecnológico dos processos de trabalho, que seja capaz de operar uma inversão nas tecnologias de trabalho, com centralidade 1 Prof. Dr. da Universidade Federal Fluminense 2 Professor Titular da Universidade Federal do Rio de Janeiro para o trabalho vivo e o uso predominante das tecnologias relacionais.

Downloads